Praias do Nordeste

HomeCicloturismo

Praias do Nordeste

Trio de amigos conta como foi a aventura de seis dias de Pernambuco ao Rio Grande do Norte

Por João Juvêncio de Almeida – joaoalmeida_pe@hotmail.com

Eu, João Juvêncio de Almeida e o meu amigo Joaozito, de Recife. Começamos a planejar essa viagem uns seis meses atrás. Mas essa pedalada seria diferente. Pois, em vez de pedalar pelas BRs, iríamos pelo litoral e pedalar o máximo possível pela areia da praia. Convidamos também para a aventura o cicloturista Djair, da cidade de Arcoverde.

Confira como foi nossa cicloviagem.

13/01/09 – SERTÂNIA-ARCOVERDE (BIKE) – ARCOVERDE-RECIFE (CARRO)

Saí de Sertânia às 5 horas com destino a Arcoverde, onde me encontraria com o amigo Djair por volta das 8h30. Fizemos os últimos ajustes, colocamos as bikes no transbike e partimos para o Recife.

NUMEROS DO 1º DIA

  • Tempo de pedal – 3h10minb40s
  • Distância – 59 kmMédia horária – 18,60 km/h
  • Velocidade Max – 44,80 km/h
  • Calorias – 843

14/01/09 RECIFE (PE)-JACUMÃ (PB)

Combinamos de sair às 4h30 do posto BR do Espinheiro, um bairro do Recife. No final resolvemos um probleminha no pneu de nosso amigo Joaozito e saímos às 5 de sua casa.

Passamos por Olinda e as praias de Casa Caiada, Rio Doce, Janga, Pau Amarelo. Em Conceição, tivemos mais um problema com o pneu novinho de Joaozito. Desta vez foi a virola que cortou e ficava pulando para fora do aro. Compramos novos pneus e passamos ainda pela praia de Maria Farinha, onde pegamos o barco a remo para a travessia do Rio Timbó, nossa primeira travessia de muitas na viagem.

Passamos ainda por Nova Cruz, Mangue Seco, Cruz de Rebouças, BR-101, Igarassu, onde paramos para tirar umas fotos em frente à Igreja dos Santos Cosme e Damião, que é a mais antiga Igreja do Brasil, datada do ano de 1535.

Em Itapissuma encontramos uma grande loja onde foi trocado logo os dois pneus e câmaras para não haver mais problemas durante a viagem. Passamos ainda pela Ilha de Itamaracá, Praia de Pilar e chegamos em nossa segunda travessia do dia: a do Rio Jaguaribe. Pedalamos na Praia do Sussego, Enseada dos Golfinhos, Pontal da ilha até a terceira travessia, para a Praia de Catuama em um barquinho a motor que parecia que ia virar a cada balanço das ondas.

Chegamos a Ponta de Pedras (o ponto extremo de Pernambuco e segundo das Américas), e passamos pela Praia Carne de Vaca, a última de Pernambuco.

Ali pegamos a balsa para a quarta travessia a do Rio Acaú, onde entramos no estado da PB, pedalamos ainda as praias de Acaú, Azul e Pitimbu, quando saímos de Pitimbu em direção à Rodovia PB-008, que é a estrada litorânea, mas não é perfeita para ciclistas, pois do nível do mar, de repente, aparecem ladeiras que parecem não acabar mais.

E o relevo é assim por mais de 40 km. Numa dessas descidas, Djair atingiu a velocidade de 72 km/h. Passamos pela Praia de Tambaba (nudismo) e por Jacumã, onde dormimos.

NUMEROS DO 2º DIA:

  • Tempo de Pedal – 8h40min17s
  • Distância – 139 km
  • Média horária – 16 km/h
  • Velocidade máxima – 62,70 km/h
  • Calorias – 1.840

15/01/09 – JACUMÃ (PB) – BAÍA DA TRAIÇÃO (PB)

Saímos de Jacumã às 5 horas como de costume e uma hora depois já estávamos em João Pessoa. Fizemos um tour pelas Praias Ponta do Seixas (o ponto mais extremo das Américas) e pela Lagoa Sólon de Lucena, no centro.

Pedalamos até Cabedelo, onde esperamos a balsa para irmos até Lucena, em nossa quinta travessia, dessa vez do Rio Paraíba. Passamos pelas Praias de Lucena, Bonsucesso e a alcançamos a sexta travessia, a do Rio Miriri.

Dali pedalamos pelas Praias do Oiteiro, Campina e Mamanguape e chegamos para a sétima travessia, no Rio Mamanguape. Essa travessia foi uma das melhores e a canoa a vela deslizou suave até o desembarque dentro da aldeia indígena Tramataia.

Passamos pela Ponta da Areia e Baía da Traição, onde paramos no restaurante o Forasteiro, do argentino Guilherme, que nos atendeu muito bem e nos serviu uma peixada deliciosa e nos ensinou uma trilha dentro da reserva indígena Potiguara para a pedalada do dia seguinte. Dormimos em Baía da Traição.

NUMEROS DO 3º DIA:

  • Tempo de pedal – 5h57min21s
  • Distância – 97 km
  • Média horária – 16,30 km/h
  • Velocidade máxima – 48,80 km/h
  • Calorias – 1.229

16/01/09 BAÍA DA TRAIÇÃO (PB) – NATAL (RN)

Saímos às 5h15, havia chovido muito durante a madrugada e o tempo estava com nuvens carregadas. Passamos pela reserva indígena Potiguara, uma floresta de Mata Atlântica.

Quando estávamos nos canaviais, desabou o mundo numa tempestade e aí vocês imaginem a estrada de terra com muita água. Ficamos parecendo três porquinhos de tanta lama e as bikes também. Conseguimos chegar na cidade de Maratacá (PB) e fomos até um posto de gasolina tomar um banho no lava jato. Por causa da chuva, tivemos que sair das estradas secundaria e pegar a BR-101 de novo. Entramos no Rio Grande do Norte e nada da chuva parar.

A BR estava sendo duplicada e ficou muito perigoso pedalar nos trechos sem acostamento. Numa descida da pista para o acostamento, que era bem alto em relação à pista, o pneu deslizou e eu levei um tremendo tombo, mas graças a Deus só tive umas escoriações no tornozelo e joelho.

Saímos da BR-101 e pegamos as secundárias de novo. De Canguaretama para Barra do Cunhaú pegamos uma tempestade com raios, relâmpagos e trovões de fazer medo a qualquer mortal. A Barra do Cunhaú é considerada capital brasileira do camarão e é impressionante o tamanho das indústrias e tanques de camarões ao longo da estrada.

Paramos para almoçar, quando de repente surge o Nilo, um cicloturista carioca que mora em Sibaúma há muitos anos e conhece a região como a palma da mão, nos deus boa dicas. Também encontramos um cicloturista de Brasília que estava fazendo um percurso inverso ao da gente, só que ele ia esticar até Maceió.

Fizemos mais uma travessia, a oitava, no Rio Catú. Passamos por Sibaúma, Estrada das Falésias, que é uma das vistas mais impressionantes que já vi, seguimos pelas Praias do Pipa, Madeiro, Timbau do Sul e chegamos na nona e última travessia da viagem: a do Lago Guaraira.

Cruzamos as praias de Barreta, Tabatinga, Búzios, Pirangi do Sul, visitamos o famoso “maior cajueiro do mundo”, a Barreira do Inferno, a Ponta Negra e chegamos finalmente na Praia dos Artistas, onde chegamos por volta das 20h30.

Tomamos um bom banho no hotel e fomos jantar num restaurante da orla e depois dormir.

NUMEROS DO 4º DIA

  • Tempo de pedal – 9h35min43s
  • Distância – 147 km
  • Média horária – 15,75 km/h
  • Velocidade máxima – 59,10 km/h
  • Calorias – 1.663

17/01/09 NATAL-RECIFE-PE (ÔNIBUS)

Acordamos cedo, tomamos o café no hotel arrumamos a bagagem nas bikes e fomos fazer um tour pela cidade. Depois partimos para a rodoviária, guardamos as bikes no bagageiro do ônibus e às 11h10 saímos de volta para o Recife, onde chegamos por volta das 16 horas.

Pedalamos até meu apartamento, pegamos o carro colocamos as bikes e partimos para Serrambi, no litoral sul de Pernambuco.

NUMEROS DO 5º DIA:

  • Distância pedalada em Natal – 14 km
  • Distância pedalada em Recife – 7 km

18/01/09 SERRAMBI-ARCOVERDE-PE (CARRO ) – SERTÂNIA (BIKE).

Saímos de Serrambi às 10h30 e chegamos em Arcoverde às 15h15, onde montei a bike almocei na casa do amigo e companheiro de viagem Djair e às 16 horas parti para Sertânia, onde vivo, e cheguei em casa às 18h20.

NUMEROS DO 6º DIA:

  • Tempo de pedal – 2h22min21s
  • Distância – 58 km
  • Media horária – 24,50 km/h
  • Calorias – 1.202

Quero agradecer a Deus por ter nos protegido em mais essa aventura, aos meus companheiros de viagem Joaozito e Djair. E que venham muitas outras pedaladas.

APOIOS: A Lojinha Sport´S, Junhão e Guga Lins, Sertão On Line, Supermercado Nordeste, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste do Brasil, Comasa Supermercado, Enilton, Washington Passos (Secretário Municipal de Educação).