Restauração BMX Pantera

HomeVintage

Restauração BMX Pantera

Veja a restauração de um clássico da indústria brasileira

Por Marcelo Afornali

BMX Pantera: início do BMX

Na segunda metade dos anos 70, mais precisamente no ano de 1978, a Monark, vendo o possível mercado para as bicicletas destinadas à categoria cross, lança a Monark BMX Super e a Monark Especial.

A Super imitava o visual de uma motocicleta com tanque, banco tipo motocicleta e partes plásticas.

Já o modelo Especial era mais “pelado”, mas poderia ser equipada com os mesmos componentes, ou seja, ao gosto do cliente.

Estas bicicletas fizeram um sucesso tão grande, que hoje, passados mais de 20 anos, são consideradas verdadeiras bicicletas clássicas da indústria nacional.

Infelizmente, muitas destas bicicletas perderam-se, pois eram veículos feitos para agüentar pancadas, saltos, tombos, etc, mas nem sempre isto acontecia devido ao uso extremo.

Freio a tambor: ineficiente na chuva

A segunda edição das BMX recebeu o nome de Pantera e deixavam a garotada da época em delírio, inclusive eu que, em dezembro de 1983, ganhei uma BMX Pantera com freio a tambor na roda traseira.

A parte mais excitante desta bicicleta era o freio, que realmente funcionava muito bem, desde que não estivesse molhada a lona ou o tambor.

A bicicleta não era tão refinadas quanto suas rivais da época como as Caloicross Extralight e Extranylon, pois ambas eram mais leves e melhor acabadas, principalmente a Light que tinha muitas partes importadas, mas aquele freio a tambor valia tudo o que as outras não tinham.

O Slogan para a época era o seguinte:
Monark BMX Pantera:
Você faz e acontece!
Sucesso de vendas nos anos 80

Passadas mais de duas décadas, esta pequena entra para a história das antigas como um verdadeiro sucesso de vendas dos anos 80 e como acervo de museu para que muitos conheçam um pouco mais da história destes nossos “nobres veículos” que encantaram e divertiram gerações!

Preservar as bicicletas nacionais, é manter viva a história da nossa indústria, nossa memória e uma parte de nós mesmos.