Spinners X Smashers

HomeReportagem especial

Spinners X Smashers

Compare o estilo de Lance Armstrong e Jan Ullrich

Lance Armstrong (spinner) e Jan Ullrich (smasher) se cumprimentam em etapa do Tour de France

O que é melhor? Girar bastante o pedal em uma marcha mais levezinha ou girar menos e fazer mais força com uma marcha mais pesada? A resposta vai variar um pouco.

Varia de estilo para estilo e de ciclista para ciclista, mesmo assim, vai ser difícil apontar quem tem razão. Ambas maneiras de pedalar funcionam, comprovadamente.

Ciclistas que adotam o primeiro estilo (alto giro, marcha leve, menos força) são chamados em língua inglesa de “spinners”, (do verbo inglês to spin = girar). Já ciclistas do segundo tipo (menos giro, marcha pesada, mais força) são conhecidos como smashers (to smash = quebrar, esmagar).

No início da década de 2000, ficaram famosos os duelos no Tour de France entre as duas escolas de pedalada. No Tour de 2001, durante uma das etapas decisivas de montanha,  Lance Armstrong (spinner) vinha sendo marcado de perto pelo alemão Jan Ullrich (smasher).

A diferença de rotação de pernas era visível. Armstrong, em geral, pedala com rotações acima dos 100-110 rpm, enquanto que seu rival alemão faz mais força girando o pedal entre 75-85 rpm.

Em uma longa subida, fazer mais força que o adversário pode ser a diferença entre a glória e a derrota. O norte-americano parecia tranquilo com o alto ritmo das pedaladas.

O alemão bufava com o esforço. A cena ficou famosa no mundo todo quando Armstrong deu uma olhadinha para trás e arrancou forte em direção ao topo da montanha. Aquela olhadinha parece ter matado de vez a moral e as chances de Ullrich. O norte-americano continuou a girar seu pedal bem rápido até o alto da montanha.

LESÕES

Muito se fala desse estilo de pedalada de Armstrong. Não foi ele quem o inventou, naturalmente, mas nos dias de hoje, é tema de estudo e discussões nos meios acadêmicos. Em 2000 Ullrich teve sérios problemas com seu joelho e, por conta disso, teve uma temporada medíocre. Tudo leva a crer que a maneira smasher de pedalada causou as lesões.

Após a recuperação, o alemão mudou de estilo e adotou o estilo Lance Armstrong de pedalada, com treinos de rotação de pedalada de 110-120 rpm.

TREINAMENTO

Há alguns exercícios que podem ser feitos para melhorar a agilidade, e conseqüentemente, sua eficiência na pedalada.

No livro “The Lance Armstrong Performance Program” de Lance Armstrong e seu treinador Chris Carmichael, os autores dão algumas dicas para aumentar o ritmo do pedal:

Uma ou duas vezes por semana, um ciclista pode fazer um exercício que consiste em pedalar durante 20-30 segundos, com a rotação dos pedais entre
130-150 rpm.

Alongue-se, aqueça-se bem e então encontre um rua tranquila, bem plana ou levemente em descida. Coloque na menor coroa de sua speed* (coroa do meio das mountain bikes) e em uma marcha leve atrás. Gradualmente comece a pedalar rapidamente e vá aumentando até cerca de 120 rpm. Depois aumente até a faixa dos 120-150 rpm, gradualmente. Fique nessa faixa de rotação apenas 20 ou 30 segundos, para evitar lesões.

*Bikes de speed se adaptam melhor para este exercício

Procure manter os pés, as mãos e braços relaxados. Concentre-se na pedalada, fazendo todo o ciclo do pedal, sem deixar falhas. Mantenha-se bem sentado sobre a bike e não deixe os quadris se moverem de um lado para outro durante o exercício.

Um ciclocomputador que marque as rotações (cadência) do pedal é muito importante. Caso você não tenha um, faça o seguinte: conte por dez segundos cada passada de seu pé esquerdo no ponto morto inferior e multiplique o resultado por seis para saber o número de rotações por minuto de sua pedalada.

Para um ciclista iniciante um total de 20 ou 30 minutos por semana desse exercício já é o bastante. Ciclistas de nível avançado ou profissionais podem fazer até 60 minutos dese treino por semana, em especial, no início da temporada.