Quanto vale a vida de um ciclista no Brasil?

HomeCompetições

Quanto vale a vida de um ciclista no Brasil?

No dia 9 de julho de 2011, infelizmente, descobrimos que a vida humana de um ciclista tem um valor estabelecido de R$ 3 mil, enquanto a de um motorista R$ 300 mil, isso para a classe A. Será que dá para avaliar o valor da vida independente do meio de transporte ou classe social?

Texto de Paulo de Tarso – Sampa Bikers

No dia 9 de julho de 2011, infelizmente, descobrimos que a vida humana de um ciclista tem um valor estabelecido de R$ 3 mil, enquanto a de um motorista R$ 300 mil, isso para a classe A. Será que dá para avaliar o valor da vida independente do meio de transporte ou classe social?

Essa foi a rápida e grossa conclusão que cheguei após comparar a morte de nosso amigo ciclista mineiro Rubens Vieira Matos, de 53 anos, que pedalava na faixa da direita da via, no sentido de Contagem, quando foi atropelado na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, no bairro Camargos. Com o impacto, o ciclista foi arrastado por alguns metros e a bicicleta ficou destruída. Rubens morreu antes da chegada do resgate.

De acordo com o delegado do DETRAN, o motorista pagou fiança no valor de R$ 3 mil e vai responder ao processo em liberdade.

Minha comparação é em relação ao acidente do Porshe no Bairro do Itaim alguns dias atrás, onde um engenheiro dirigindo seu Porsche em alta velocidade (150 km/h) bate em um veículo que era conduzido por uma mulher de 28 anos. A mesma, após a colisão, acaba falecendo e, segundo o boletim de ocorrência, mais duas pessoas saem feridas além do motorista do Porsche que ficou inconformado com o prejuízo em seu carro importado, sem ao menos se importar com as pessoas acidentadas. O motorista em questão foi liberado na quarta feira, dia 13 de julho, e pagou uma fiança de R$ 300 mil (metade do valor do carro que dirigia) e irá responder ao crime em liberdade.

Recentemente nosso maravilhoso Congresso Tendo, em tese, acaba de autorizar o bandidismo, e a Presidenta homologar a liberdade ao crime.

Com a Lei 12.403, pessoas que cometeram crimes considerados leves e com penas de até quatro anos de prisão e que nunca foram condenados por outro delito (Réu primário), apenas serão presas em último caso.

Eu só gostaria de saber para onde vai essa fiança paga pelo motorista, será que irá para a família da vitima morta no acidente? E será que será usada para pagar as despesas dos outros feridos? E será que o trauma que irá acompanhar as pessoas envolvidas, também será custeado por essa “fiança paga”? Infelizmente, não sei as respostas e tenho quase certeza que os culpados serão esquecidos e as vitimas também serão abandonadas ao destino.

Barbaridades cometidas por motoristas, que não respeitam as sinalizações e dirigem em alta velocidade, isso em qualquer hora do dia ou noite, temos que agir rápido e com rigor, fica aqui o alerta.

Veja a relação dos principais crimes leves:
• Furto simples;
• Porte ilegal de armas;
• Homicídio culposo no trânsito;
• Formação de quadrilha;
• Apropriação indevida;
• Dano a bem público;
• Contrabando;
• Cárcere privado;
• Coação de testemunha durante o andamento do processo;
• Falso testemunho, entre outros.

Nestes crimes basta apenas pagar uma fiança ao Delegado que varia de um salário mínimo a 100 salários mínimos ou se o infrator comprovar que é pobre e não pode pagar fiança, o valor é dispensado e o criminoso é solto.

A prisão em flagrante também não servirá mais para manter um suspeito atrás das grades, como hoje acontece. Além disso, os valores para fianças serão revertidos, obrigatoriamente, em favor das vítimas de criminosos condenados.

Portanto, não se assuste se você encontrar na rua o assaltante que entrou armado em sua casa roubou um aposentado à mão armada na fila do banco, o ladrão que roubou seu carro, o criminoso que desviou milhões de reais dos cofres públicos, o bandido que estava circulando com uma pistola 9mm em vias públicas etc.

Nós ciclistas somos uma imensa comunidade. Muitos de nós temos carros e podemos começar a mudar essa história respeitando mais o trânsito quando não estivermos em cima da bicicleta. Vamos participar, precisamos  colaborar,  cada um fazendo sua parte.

Que DEUS nos ajude! E Ele sempre ajuda, basta colaborarmos!