O drama de Andy Schleck: visto bêbado, ciclista amarga tempos difíceis

HomeCompetições

O drama de Andy Schleck: visto bêbado, ciclista amarga tempos difíceis

Equipe RadioShack, porém, demonstra apoio, apesar de puxão de orelha público

Dani Prandi / Bikemagazine
Fotos de divulgação

Andy Schleck: tempos difíceis para o ciclista de Luxemburgo

Andy Schleck atravessa tempos difíceis. Enquanto amarga um início de temporada apático, que levanta suspeitas sobre sua recuperação após queda no ano passado, seu nome ganha destaque na internet depois que um deputado francês postou no Facebook que viu o ciclista de Luxemburgo completamente bêbado em um hotel próximo ao aeroporto de Munique, logo após o final da Tirreno-Adriático.

Postagem sobre Andy Schleck no Facebook

“Late check-in em um hotel no aeroporto de Munique. Um tipo bem bêbado entra no elevador e tenta, sem sucesso, pressionar o botão. Eu sei que é um grande campeão de ciclismo, duas vezes segundo lugar no Tour nos últimos anos. Deprimente”, escreveu (em tradução livre), Pierre-Yves Leborgn.

“Era Andy Schleck. Ele usava uma jaqueta antiga da equipe Leopard Trek. Não fazia sentido. Eu apertei o botão de seu andar. A situação foi muito triste”, escreveu ele, em seguida. “Ele havia abandonado um dia antes uma corrida na Itália e não concluiu uma única prova desde a Primavera de 2012. Seu irmão, Frank, está suspenso por um ano por doping. Eu tive a impressão de ver um jovem à deriva, bêbado e sozinho”, postou o deputado

Depois da divulgação, o atleta da RadioShack-Leopard levou um puxão de orelha público do chefe da equipe, Flavio Becca. “Eu disse muitas vezes a Andy que eu não estou feliz com a forma como ele tem se comportado. Agora, eu espero que ele tenha coragem de fazer uma declaração honesta, para esclarecer as coisas, e voltar a ser um atleta sério, tentando o sucesso”, disse em declaração ao jornal Gazzetta dello Sport. A princípio, a RadioShack-Leopard não vai punir Andy Schleck pelo incidente.

Para o diretor esportivo da equipe, Dirk Demol, “Andy ainda não está bem” e não se recuperou totalmente das lesões que sofreu no ano passado. “Andy está passando por um período difícil. Pensei que estávamos no caminho certo, mas depois da Tirreno, devemos concluir que ele ainda é uma dúvida”, declarou.

Mas Demol diz que não tem dúvidas sobre o futuro do ciclista. “Ele vai sobreviver a esta fase, mas que tem de superar seu medo. Para o Tour de France, é o nosso único nome com chance real de estar no topo. Continuamos 100% com ele”, completou.