Proteção para freios a disco já existe

HomeLançamentos

Proteção para freios a disco já existe

Proteção feita em material sintético e impressa em 3D serve em qualquer roda, de qualquer marca

Invento foi batizado de DonChisciotte

Invento da empresa italiana T’red Bikes

Do Bikemagazine
Foto de divulgação

A solução para acabar com os ferimentos provocados pelos rotores de discos nas provas de ciclismo já existe. Em 2016, a empresa italiana T´red bikes apresentou e requereu a patente de um protetor de disco que elimina os perigos com acidentes com as bicicletas equipadas com freios a disco no pelotão de ciclismo e também do ciclocross.

A T´red Bikes fabrica quadros, garfos, rodas e outros produtos em carbono. A proteção de disco foi mostrada oficialmente na feira norte-americana NAHBS. Trata-se de uma proteção feita em material sintético e impressa em 3D. É colocada facilmente e serve em qualquer roda, de qualquer marca.

Os primeiros protótipos são feitos de plástico

Os primeiros protótipos são feitos de material sintético

Os rotores de freio desprotegidos podem cortar a carne humana com facilidade e produzir ferimentos extensos e profundos, além é claro, de terem o potencial para produzirem queimaduras. Recentemente, o  britânico Owain Doull (Team Sky) afirmou que, na 2ª etapa do Abu Dhabi Tour, os freios a disco usados pelo alemão Marcel Kittel (QuickStep-Floors) rasgaram sua sapatilha no primeiro incidente após a UCI ter liberado o uso, no início da temporada.

Os freios a disco foram usados pela primeira vez após a mudança da regra da UCI na Volta de San Juan, na Argentina, com Tom Boonen (QuickStep-Floors), em janeiro. Em fevereiro, Kittel tornou-se bicampeão do Tour de Dubai também com freios a disco.

O uso do equipamento estreou fase de teste no ciclismo Pro no Eneco Tour de 2015, mas, um ano depois, acabou proibido, após a Comissão de Equipamentos da UCI confirmar que o espanhol Francisco Ventoso (Movistar) teve cortes profundo logo abaixo do joelho direito após se envolver numa queda na Parix-Roubaix.

Tanto no caso de Ventoso quanto no atual, as associações de ciclistas se manifestaram contra o uso de discos sem proteção e alertaram a UCI dos riscos de novos acidentes, mas deixam bem claro que os profissionais não são contra a evolução da tecnologia e contra o uso de freios a discos, mas que eles devem receber melhorias no aspecto da segurança para os atletas.

VÍDEO
[youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=lVHx_wA_f7A&t=2s” width=”560″ height=”315″]