Strava confirma: Paris-Roubaix 2017 foi a mais rápida da história

HomeCompetiçõesCiclismo

Strava confirma: Paris-Roubaix 2017 foi a mais rápida da história

O campeão Greg Van Avermaet registrou 45,2km/h de média horária; nova marca desbanca em apenas 0,1km/h o antigo recorde do campeão Peter Post em 1964

No percurso da Paris-Roubaix 2017

No percurso da Paris-Roubaix 2017

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/ASO

A edição 2017 da Paris-Roubaix foi a mais rápida da história. A 115ª edição da competição teve 257 quilômetros de extensão e o campeão Greg Van Avermaet registrou 45,2km/h de média horária. A nova marca desbanca em apenas 0,1km/h o antigo recorde de velocidade média estabelecido pelo vencedor de 1964, o holandês Peter Post.

Depois da prova, muitos ciclistas retornaram aos seus carros de equipe e postaram sua corrida no Strava. E os resultados impressionam. Infelizmente, o campeão Greg Van Avermaet perdeu seu computador durante a prova e não tem registro de sua corrida, mas certamente o medalhista de ouro no Rio de Janeiro foi o mais rápido e teria faturado vários KOMs no trajeto entre Paris e Roubaix.

O campeão britânico de contrarrelógio Alex Downsett, por exemplo, manteve 300 watts de potência média durante as 6 horas da corrida e registrou 43,4km/h, com 6.459 calorias consumidas.

Greipel impressionou na Paris-Roubaix

Greipel impressionou na Paris-Roubaix

Sem as informações de Avermaet, os dados do alemão André Greipel (Lotto-Soudal) são dos que mais impressionam em termos de Watts. O alemão gerou uma média de 313 Watts, com um pico de 1.670 Watts num trecho de pavé entre Troisvilles e Inchy, a 160km da chegada. Ele ainda marcou 1.500 Watts no trecho Arenberg e registrou a velocidade máxima de 64km/h no velódromo.

Outro que impressionou foi Daniel Oss (BMC), que fez muita força em vários momentos da prova e andou sozinho um longo tempo faturando vários KOMs nos últimos 80km da corrida. Infelizmente, Oss também perdeu os dados gerados pela cinta cardíaca e pelo medidor de potência.

E, por falar em KOMs, Marcus Burghardt (Bora), o gregário de Peter Sagan, foi o ciclista que mais conquistou KOMs (9 no total) e, por conta dos problemas mecânicos de Sagan, terminou na frente do campeão mundial, na 16ª colocação.

Trecho da clássica Paris-Roibaix

Trecho da clássica Paris-Roibaix

Apesar da alta velocidade média, não houve mudança de dono dos KOMs nos primeiros dois trechos de pavés e Jon Mould e Niki Terpstra mantiveram a marca nos trechos Trouée d’Arenberg e Mons-en-Pévèle, respectivamente.
Já no trecho de pavé Carrefour de l’Arbre, o norte-americano Taylor Phinney (Cannondale-Drapac) perdeu o KOM para seu companheiro de equipe Tom Van Asbroeck.

Na disputa da categoria Junior, com 110km de extensão, o britânico Tom Pidcock venceu a prova com impressionantes 39,6km/h e 175bpm de média, com 199bpm de máximo nos últimos quilômetros. Pidcock, de 17 anos, atacou o pelotão a 25km para a chegada e garantiu a sétima colocação no trecho Carrefour de l’Arbre.

LEIA MAIS
Reportagens sobre a Paris-Roubaix no Bikemagazine