Rio de Janeiro será sede do Mundial de Paraciclismo de Pista em 2018

HomeCompetiçõesCiclismo

Rio de Janeiro será sede do Mundial de Paraciclismo de Pista em 2018

UCI confirmou a realização da prova no velódromo olímpico, que custou R$ 118,8 milhões e foi atingido por incêndio no final de julho; datas da competição ainda serão definidas

Lauro Chaman, que conquistou duas medalhas nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, e é o atual campeão mundial de paraciclismo de estrada Foto: Jean-Baptiste Benavent

Lauro Chaman, que conquistou duas medalhas nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, e é o atual campeão mundial de paraciclismo de estrada Foto: Jean-Baptiste Benavent

Do Bikemagazine
Foto de divulgação/UCI

O Brasil vai receber pela primeira vez na história o Mundial de Paraciclismo de Pista. A confirmação foi feita pela UCI (União Ciclística Internacional) durante sua reunião anual, realizada durante o Mundial de Ciclismo em Bergen, na Noruega. O Mundial de Paraciclismo de Pista será em 2018, no Rio de Janeiro, em data a ser definida.

A negociação para trazer o mundial para o país começou em março deste ano, logo após a edição da competição em Los Angeles (EUA). Segundo o presidente da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), José Luiz Vasconcellos, receber a competição será muito positivo para a evolução da modalidade e também vai contribuir diretamente para mobilizar e valorizar as ferramentas do legado olímpico.

Vasconcellos destacou que só foi possível confirmar a realização do mundial a partir da parceria entre o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), o Ministério do Esporte e a Agência de Governança do Legado Olímpico (Aglo).

“O Velódromo Olímpico do Rio de Janeiro tem as condições ideais para receber qualquer competição de nível mundial. Essa foi uma notícia que já estávamos aguardando ansiosos. A confederação assumiu a responsabilidade e cumpriu com todos os tramites burocráticos e financeiros para que nada pudesse dar errado”, conta.

Vale lembrar que o velódromo foi atingido por um incêndio no final de julho, que comprometeu o telhado, mas não afetou a pista. O velódromo foi a última obra a ser entregue antes dos Jogos Rio 2016 e custou R$ 118,8 milhões.