Teste Bikemagazine: na estrada com os pneus Kenda Valkyrie Pro

HomeCompetiçõesBike Teste

Teste Bikemagazine: na estrada com os pneus Kenda Valkyrie Pro

Rodamos 3 mil quilômetros com um par na medida 700x28 e tivemos boas surpresas; confira a avaliação, um dos destaques é a proteção contra furos

Confira nossa avaliação dos pneus Kenda Valkyrie Pro

Texto e fotos: Gabriel Vargas
Especial para o Bikemagazine

Introduzido na linha da Kenda no último ano, o pneu Valkyrie Pro é anunciado como o modelo de maior performance da marca. Recebemos um par na medida 700×28 em conjunto com as câmaras de ar Kenda Ultra Lite. Após 3 mil quilômetros com os pneus, incluindo algumas horas no rolo, podemos dizer que estamos bastante satisfeitos com esse novo produto. Os pneus estão disponíveis também nas medidas 700×25 e 700×30 e o preço sugerido ao consumidor é de R$ 270,00 a unidade. As câmaras de ar custam R$ 30,00.

Mais conhecida pela ampla linha de pneus de MTB, a Kenda não tem grande tradição entre os pneus para ciclismo de estrada, pelo menos no Brasil. Embora existam vários modelos há muitos anos no mercado, como o Kaliente e o Kadence, nenhum deles nunca tiveram destaque perante as outras marcas mais comercializadas, em termos de pneus de qualidade para treinos e competições.

Segundo a marca, o Valkyrie Pro foi desenvolvido em um novo laboratório de tecnologia, criado para a divisão automotiva da Kenda. Os engenheiros queriam um produto no mesmo nível dos pneus das marcas líderes do mercado. Assim, eles tinham três objetivos para o novo modelo: baixo peso, boa resistência a furos e baixa resistência à rolagem, tudo em um mesmo pneu. E pelo que percebemos, a Kenda conseguiu o que queria.

Novidade tem boa proteção contra furos

Características
O Valkyrie Pro utiliza a melhor borracha da Kenda, a 3RC, exclusiva para o modelo. Além disso, o pneu conta com o reforço K-Armour para proteção contra furos. Tudo isso em um peso excelente de 230 gramas (para o modelo de 28 mm!), conforme aferido em nossa balança. Para efeitos de comparação, um Continental Gatorskin 700×25 pesa 10 gramas a mais, mesmo sendo mais estreito.

Geralmente, boa performance, baixo peso e resistência a furos não andam juntos em um mesmo pneu. Os modelos de competição costumam ser muito vulneráveis. Segundo a marca, o Valkyrie tem quase a mesma resistência à rolagem dos pneus concorrentes mais velozes, mas com o benefício de incluir também boa resistência a furos. É importante salientar que a proteção K-Armor percorre apenas a superfície de rolagem e não cobre as bandas laterais.

O pneu é dobrável e tem trama de 120 TPI. Um detalhe muito interessante é a logo refletiva em ambos os lados do pneus, o que é um adicional para a segurança em baixa luminosidade e ainda cria um efeito visual interessante. Infelizmente, não possuem nenhum indicador de desgaste em sua superfície de contato com o solo.

As câmaras Kenda Ultra Lite também impressionaram. Fabricadas com butyl de alta qualidade, possuem apenas 0,60 mm de espessura, segundo o fabricante. E elas realmente são muito leves: menos de 70 gramas em nossa balança. Quando dobradas, ficam muito compactas e cabem em pequenos espaços.

Experiência com o Kenda foi duplamente agradável

Impressões durante o teste
A experiência com os Kenda Valkyrie Pro foi duplamente agradável. Primeiro, o pneu realmente é excelente. Segundo, os 28 mm de largura são, também, um enorme avanço em vários sentidos. Os pneus foram usados em diversos treinos, e todo tipo de asfalto, um pouco de chuva, no rolo e inclusive em duas provas (uma de estrada, com subidas longas e descidas e curvas velozes e uma prova de circuito).

Embora não seja algo extremamente evidente, a rolagem do pneu é notavelmente boa. Mas o que mais chamou a atenção foi a aderência em curvas. Mesmo em asfalto com imperfeições, a bike parece estar sobre trilhos, mantendo com facilidade uma trajetória precisa em curvas velozes mesmo com pilotagem agressiva. A frenagem também foi ligeiramente beneficiada.

Os pneus Kenda Valkyrie Pro realmente tem excelente proteção contra furos. Nos 3000 km de testes, tive apenas 2 furos, ambos causados pelos mal-falados arames de pneu de caminhão. Vários outros pedaços de arame chegaram a penetrar a superfície do pneu, mas não chegaram até a câmara. Difícil dizer se é sorte ou se é por conta da proteção K-Armour; mas sem dúvida, são pneus que furam pouco. E não faltaram cacos de vidro, pregos, pedrinhas e até alguns trechos de estrada de terra pelo caminho. Os engenheiros da Kenda realmente conseguiram aliar as qualidades desejadas em um mesmo produto.

Uma qualidade que não foi mencionada pela marca é a durabilidade. Sendo um pneu de performance, a resistência ao desgaste não é uma das prioridades, pois isso exigiria uma borracha mais dura, com mais resistência à rolagem e menor qualidade de rodagem geral. A boa notícia é que os pneus traseiros acabaram de perder a linha central e os dianteiros ainda parecem novos. É impossível prever o padrão de desgaste, mas nesse ritmo, eles provavelmente ficarão “quadrados” com 4 a 5 mil quilômetros, o que é excelente!

Aderência nas curvas foi um ponto positivo

Gostamos: Peso reduzido, boas características de rolagem e excelente proteção contra furos.
Não gostamos: Ausência de indicadores de desgaste

Sobre os 700×28
A grande vantagem dos pneus mais largos é poder usar menor uma pressão menor na calibragem. Assim, a bike lida muito melhor com asfalto abrasivo, pequenas imperfeições no piso, detritos etc. Ou seja, basicamente o que encontramos em boa parte dos nossos treinos. Isso resulta em menos vibração e impactos, e a diferença no desgaste do corpo após vários quilômetros é evidente. Além disso, há evidências recentes que demonstram que os pneus mais largos possuem um padrão de deformação diferente, o que resulta em menos energia desperdiçada pelo movimento da borracha contra o solo. Ou seja, menor resistência à rolagem e maior a velocidade.

Sabemos que muitas pessoas ainda são muito céticas e não acreditam no conjunto maior largura/menor pressão. Que fique a dica: se vai instalar pneus mais largos, seja o Valkyrie ou outros, entenda que a pressão é menor do que a utilizada em um 25, que por sua vez é menor do que a utilizada em um 23. Com pouco menos de 70 kg, muitos dos meus treinos foram com 70 a 75 psi.

Essa medida é excelente para bikes com freios a disco. Nas bikes com caliper é um pouco enfadonho ter que esvaziar o pneu toda vez que for necessário remover as rodas para passar pelos freios. Alguns modelos de freios, como os Tektro que conhecemos em outra ocasião (leia aqui), tem abertura suficiente para permitir a passagem dos pneus nessa medida sem maiores problemas.