Novidades na Memorial: Chaman e Amorim; feminino mira Tóquio

HomeCiclismo nacional

Novidades na Memorial: Chaman e Amorim; feminino mira Tóquio

Equipe de Santos diminuiu plantel para 8 ciclistas no masculino; time feminino busca licença internacional da UCI

Lauro Chaman volta para a Memorial-Santos

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

A equipe de ciclismo Memorial, de Santos (SP), começa a temporada 2019 com os pés no chão e uma importante programação internacional na busca de pontos olímpicos para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Para 2019 o plantel da equipe masculina foi reduzido para oito ciclistas. “Nosso orçamento diminuiu, mas na na realidade queremos canalizar os recursos para termos um calendário de qualidade e oferecer uma estrutura um pouco melhor para nossos atletas”, conta Claudio Diegues, manager da equipe criada no ano 2000.

Na temporada passada o time de Diegues contava com um total 19 atletas no time masculino, incluindo ciclistas das modalidades BMX, pista e mountain bike, com Leandro Donizetti, que permanece na equipe e vai disputar provas de estrada em 2019.

Uma das novidades para esta temporada é a chegada do experiente Luis Amorim, forte contrarrelogista de 41 anos que traz no currículo de 26 anos de ciclismo e quatro títulos nacionais de crono.

Outro destaque é a volta do paraciclista Lauro Chaman, campeão em 2017 e medalhista de prata e bronze nos Jogos do Rio em 2016. Chaman integrou a Memorial de 2010 a 2016 e regressa ao time de Santos com um extenso calendário de provas para este ano.

“A prioridade do Laurinho serão as provas internacionais de paraciclismo olímpico. Ele é da seleção brasileira e vai atrás dos pontos para os Jogos Olímpicos de Tóquio no ano que vem”, conta Diegues. Chaman, que vai ao Tour de San Juan pela seleção brasileira, disputa em março o mundial de pista na Holanda (leia mais sobre Chaman).

O experiente Joel Cândido “Maritaca” continua na equipe e além de estrada vai correr também provas de pista. “Em algumas provas que o Lauro estiver correndo na Europa, o Joel poderá ir para correrem juntos. A ideia é correr atrás dos pontos olímpicos”.

A equipe tem também Rafael Braga, Caio Santana e João Gabriel Lisboa, ciclistas da categoria Sub-23 que vieram da categoria de base da Memorial. Lisboa é campeão brasileira de estrada da categoria juvenil e campeão brasileiro júnior de Omnium.

Completa o time, o brasiliense de 19 anos Gustavo Moreira, segundo colocado na Granfondo Ubatuba e pódio na Volta do ABC. A equipe estreia oficialmente no Torneio de Verão, em Ilha Comprida (SP), de 20 a 24 de fevereiro.

O primeiro compromisso internacional será na Volta de Chiloé, no Chile, de 6 a 10 de março. “Fomos convidados para a Volta de Mendoza, com 10 etapas, mas declinamos. Seria bom para nossos atletas pegarem ritmo de prova, mas optamos pelo Torneio de Verão. Vai ser melhor correr aqui mesmo”, explica Diegues.

FEMININO

A equipe feminina da Memorial terá outa temporada na Europa

A equipe feminina, carinhosamente chamada de Memorial-Girls pelos fãs tem novidades importantes. Permanecem no time Camila Coelho, Ana Paula Polegatch, Ana Paula Casseta, Taise Bento, Thayna Araújo e a campeã brasileira júnior Marcela Sodré, que veio da categoria de base.

Victoria Remaili e Cristiane Silva são as novas contratações. Cristiane vai pilotar a paraciclista (deficiente visual) Márcia Fagnani e a dupla deve participar de várias provas no exterior. Nas provas internacionais, a Memorial Girls terá também o reforço da ciclista argentina Estephania Pilz, que reside na Bélgica.

Como em 2018, a Memorial Girls fará uma temporada na Europa a partir da Bélgica e a equipe terá a responsabilidade de somar pontos para os Jogos de Tóquio no ano que vem.

“Com a situação da Flávia Oliveira, nossa responsabilidade aumentou. Vamos correr o maior número possível de provas UCI para buscar os pontos para Tóquio”. O Brasil, como Nação, tem a possibilidade de garantir três vagas.

“Ainda não definimos o calendário de provas, pois dependemos da licença UCI. Já estamos fazendo o trâmite junto à UCI e a CBC está nos ajudando no que pode. A licença pode sair nos próximos dias”, explica Diegues.

No ciclismo feminino, existe apenas uma licença internacional que se chama “UCI Women Team”. O registro abre portas para convites em várias provas com o auxílio financeiro dos organizadores dos eventos.

“Com a licença em mãos vamos atrás de provas que pontuam. Além da Bélgica, tem provas na Holanda, Alemanha, Polônia e Republica Tcheca. Em março, tem quatro provas na Turquia”.

Mesmo sem registro, a equipe de toda forma irá para a Bélgica e vai disputar mais provas que em 2018. No ano passado foram 19 provas, oito delas com pontos UCI.

“A Camila e a Ana Polegatch conseguem entrar na zona de pontuação nas provas e isto é muito bom”. Também está no radar da Memorial Girls a disputa da Volta da Costa Rica.

A equipe poderá enviar para a Europa alguns atletas novatos do masculino para ganharem experiência e disputarem provas na Sub-23, que também somam pontos no ranking da UCI.

“Algumas provas da Sub-23 são preliminares das provas femininas e nossos garotos poderão ganhar experiência internacional. Isto é muito importante para nossa a equipe e também para o ciclismo brasileiro”, explica Diegues.

A apresentação oficial da Memorial-Santos será nos dias 11 de fevereiro, em Santos, e no 12 de fevereiro, em São Paulo.