Portela quer bater o próprio recorde e chegar a 300 km/h em Uyuni

HomeReportagem especial

Portela quer bater o próprio recorde e chegar a 300 km/h em Uyuni

Depois de cravar 202km/h e entrar para o Guinness como o ciclista mais veloz do mundo a pedalar com a própria força e sem o auxílio de cabos, paranaense planeja novo recorde

Evandro Portela planeja bater o próprio recorde em uma pista no Salar de Uyuni, na Bolívia

Marcos Adami/Do Bikemagazine
Fotos de divulgação 

Depois de cravar 202km/h e entrar para o Guinness, o livro dos recordes, como o ciclista mais veloz do mundo a pedalar com a própria força e sem o auxílio de cabos, o paranaense Evandro Portela quer chegar aos 300km/h em uma pista com 28km de extensão no Salar de Uyuni, na Bolívia. A tentativa do novo recorde está programada para o mês de setembro de 2021 sob a supervisão de fiscais do Guinness Book of Records.

Antes de estabelecer o recorde reconhecido pela entidade britânica Guinness Book of Records, Portela já viralizava nas redes sociais com vídeos pegando vácuo na traseira de caminhões em que alcançava velocidades de até 124 km/h. Em treinamentos chegou aos 160km/h.

Portela mora em Curitiba (PR) e no dia 17 de novembro de 2017 o atleta estabeleceu o recorde em um trecho de 13km da BR-277 que corta a capital paranaense pedalando uma bicicleta de linha e sem a ajuda de um reboque.

“O recorde de 202km/h levou um ano e oito meses ser oficializado, pois eles são rigorosos”, conta. Agora devo ir no escritório deles em Londres e pagar uma taxa de US$ 30 mil para eles poderem irem no local e reconhecerem a marca. Existe também um prêmio oferecido por eles, mas não sei detalhes. Imagino que seja um ressarcimento do valor da inscrição”, explica Portela.

Bike de Guy Martin, que chegou a 184 km/h

A BIKE
No recorde de 202km/h, Portela usou uma bicicleta praticamente “de linha”, equipada com uma enorme coroa de 105 dentes. “No mais, era uma bike de estrada comum”, garante o ciclista, que pedalou no vácuo de um Subaru equipado com uma carenagem especialmente criada para o evento (veja reportagem).

Desta vez Portela vai usar uma bicicleta especialmente construída para ter estabilidade em alta velocidade. A bike é do mesmo tipo utilizada pelo britânico Guy Martin que chegou a 184km/h com uma bicicleta especial da marca Rourke, feita na Inglaterra. “Ele pedalou em uma praia no País de Gales, mas ele usou um cabo para ser rebocado”, explica Portela.

A bike de Portela já está sendo construída pela empresa catarinense Overall, que produz bicicletas fixas e BMX. “A princípio íamos adquirir uma bike da marca Rourke igual à do Martin, mas por conta da pandemia não pudemos viajar. A Overall vai fabricar e nos ceder a bike”. A bicicleta vai seguir o mesmo princípio e a mesma geometria da bike de Martin, porém mais longa, com entre-eixos de 44 polegadas para ajudar na estabilidade

A bicicleta de Portela terá um quadro feito com liga de cromo molibdênio, com um peso de 24kg para ajudar na estabilidade. As rodas serão de aro 26, freios a disco nas duas rodas, pneus slick 1.95 e guidão de mountain bike.

Além do peso e do comprimento, que lembra uma moto de corrida, outro diferencial na bike é o sistema de transmissão, que foi fabricado pela empresa paulista Notable Metal Works. A bike tem um pinhão fixo de 9 dentes localizado no lado esquerdo do cubo traseiro. A bike usa duas coroas com 73 dentes cada, ou seja, um total de 146 dentes e um impressionante andamento de 26 metros. A cada volta no pedal a bike se desloca 26 metros.

“Vamos testar duas bicicletas, uma com 44 polegadas de entre-eixos  e rodas aro 26 e outra com uma distância entre-eixos de 50 polegadas e rodas aro 700. Ambas com guidão de mountain bike para ter melhor estabilidade. As bikes precisam ser bem pesadas”, destaca.

A primeira versão da bicicleta para o recorde deve ficar pronta nos próximos 30 dias. “Assim que estiver pronta vamos testá-la no asfalto em Curitiba, em velocidades de 140-150km/h para ver como ela se comporta. Vou conseguir um alvará para pedalar em uma rodovia estadual”, garante.

Portela bate recorde mundial de velocidade em Curitiba em 2017

SALAR DE UYUNI
O local escolhido para o recorde fica a 3.600 metros sobre o nível do mar e já foi utilizado por alguns fabricantes de motocicleta, como Honda e Triumph, e também pela Agência Espacial Americana (NASA). Esta será a primeira vez que o recorde de velocidade em bicicleta será feito no imenso deserto de sal boliviano.

“Em Utah, nos Estados Unidos, a pista tem 13km, em Uyuni são 28km. Para o recorde, vamos passar uma máquina e deixar a pista lisinha, como o piso de uma casa, sem trepidações”, explica.

Em outubro deste ano, Portela deverá ir ao local para fazer pelo menos cinco treinos. Portela vai pedalar no vácuo de um BMW X6 com motor de 700CV preparado para corrida e com uma carenagem especialmente construída para o recorde. “Vai depender da fronteira estar aberta por conta da pandemia.”

TREINAMENTO
Como ciclista profissional, Portela passou por várias grandes equipes nacionais. Durante 10 anos foi top 5 no ranking nacional, ganhou várias etapas da Volta de Santa Catarina na subida da Serra do Rio do Rastro, foi campeão da Volta do Litoral Paranaense em 2002, disputou duas edições da Volta a Espanha, venceu uma etapa da Volta a Granada, na Espanha, foi campeão de montanha da Volta a Madri e ganhou três etapas das seis do Tour do Leste da França, em 1997.

A rotina de treinos do ciclista prevê um volume de 600km a 700km por semana e inclui rodar no vácuo de carros e motos na estrada. Antes do recorde, um período será dedicado a adaptação à altitude de Uyuni.

RECURSOS
Escrever – de novo – o nome no livro dos recordes tem seu preço. E não é barato. Para o recorde de 300km/h Portela estima um valor próximo dos R$ 2 milhões.

Serão 12 dias em Uyuni com um staff de pelo menos 15 pessoas. A infra estrutura inclui caminhão para equipamentos, um carro plataforma, um motorhome etc. Parte dos recursos para o projeto virá da captação de recursos de projetos de lei de incentivo. “Estamos captando e já temos dois projetos aprovados. Temos também patrocínios diretos, como por exemplo o EBANX, que é um banco virtual. Já temos 16 marcas envolvidas no projeto, faltam outras 10”, explica.

Portela está oferecendo cotas de patrocínio que vão de R$ 100 mil a R$ 1 milhão.

O ciclista tem os patrocínios e apoios de: Ebanx, SC Ferraros, Biológica, Devorak, Oxy Place, Notable Metal Works, No 2 Suplementos, Portela Bikes, Miami Bikes, Só Carrão, Mauro Ribeiro Sports, Metax e Vecron.

LEIA MAIS
Reportagens sobre Evandro Portela no Bikemagazine

CONTATOS
www.evandroportela.com.br
Facebook: @evandroportela.speedbike
Instagram: @portela_evandro_
Fone (41) 99691-5701 – Dario Alberto Castro, manager da equipe