Giro 2020: Demare vence Sagan no sprint da 4ª etapa

HomeCompetiçõesGiro D'Itália

Giro 2020: Demare vence Sagan no sprint da 4ª etapa

Decisão foi após análise do Photo Finish; português João Almeida aumenta vantagem na liderança geral com bônus no sprint intermediário

 

Sprint da 4ª etapa do Giro

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/La Presse

Por decisão após análise do Photo Finish, o francês Arnaud Demare (Groupama-FDJ) foi o vencedor do apertado sprint da 4ª etapa do Giro d’Italia, nesta terça-feira (6 de outubro), em Villafranca Tirrena. Peter Sagan (Bora-Hansgrohe) e Davide Ballerini (Deceuninck-QuickStep) terminaram em 2º e 3º a etapa de 140 km, percorrida em 3h22min.

O campeão francês, que venceu 10 corridas desde a retomada da temporada em agosto, sobreviveu à longa escalada do Portella Mandrazzi no meio da etapa e conseguiu ficar bem posicionado na rápida chegada depois que seu companheiro de equipe Miles Scotson surpreendeu com um ataque no quilômetro final.

Imagem do Photo Finish

“Costumo treinar a aceleração final atrás da scooter do meu pai. Hoje valeu a pena, mas eu não tinha certeza se tinha ganhado quando cruzei a linha. Estava tão apertado. Achei que estava em segundo ou terceiro lugar e então me disseram que ganhei. É fantástico ter vencido uma etapa do Giro já nos primeiros dias de corrida”, comemorou o francês depois de uma longa espera pelo resposta oficial que confirmou  sua segunda vitória na carreira em etapa do Giro.

João Almeida manteve a maglia rosa

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve a maglia rosa e aumentou a vantagem na liderança geral depois de responder ao ataque de Jonathan Caicedo (EF Pro Cycling), o vice-líder, no segundo sprint intermediário. Os dois estavam empatados, mas Almeida conseguiu ficar dois 2 segundos na frente. “Busquei o bônus do sprint e consegui. Estou muito feliz em usar a maglia rosa mais um dia”, afirmou.

Na classificação das camisas, Almeida manteve a maglia rosa e a maglia branca da classificação de melhor jovem. Peter Sagan assumiu a maglia ciclamino da classificação por pontos e Jonathan Caicedo manteve a maglia azzurra da classificação de montanha.

“Quando cruzei a linha, não sabia se tinha ganho, se tinha sido segundo ou terceiro. Em um sprint tão apertado às vezes você ganha, às vezes você perde. Nossa tática era dificultar a corrida na subida. Estou satisfeito com a equipe, meus companheiros fizeram um ótimo trabalho. Agora estou com a camisa ciclamino, mesmo que apenas por alguns pontos, mas espero mantê-la”, disse Sagan.

Sagan assume a liderança da classificação por pontos

Na 4ª etapa, o Giro largou com 172 ciclistas em Catania. A etapa começou com a notícia do abandono de Geraint Thomas (Ineos Grenadiers), que sofreu na etapa anterior depois de uma queda na largada neutralizada, quando perdeu o equilíbrio ao passar sobre uma caramanhola. Thomas perdeu mais de 12 minutos e sua presença no Giro era incerta. O britânico fez exames no hospital e a equipe confirmou que ele teve uma fratura na pélvis e estava fora da disputa. 

Na fuga do dia estavam Simon Pellaud (Androni-Giocattoli-Sidermec), Marco Frapporti (Vini Zabu-KTM) e Kamil Gradek (CCC), que abriram uma vantagem de quatro minutos enquanto uma série de acidentes ocorriam no pelotão, com Ben Swift da Ineos entre eles.

Na única subida do dia, a Portella Mandrazzi, a Bora-Hansgrohe começou a trabalhar forte, com o escalador Matteo Fabbro. Depois de cerca de cinco quilômetros, Fernando Gaviria (UAE Emirates) se viu em apuros e acabou ficando para trás. O sprintista colombiano não conseguiu voltar ao pelotão principal e ficou de fora da disputa do sprint. Na chegada, a equipe FDJ trabalhou forte para seu sprintista. Sagan saiu antes, mas Demare cruzou primeiro com uma diferença mínima. “A sorte estava do meu lado”, disse o vencedor.

A chegada da etapa teve um acidente com dois ciclistas da Vini Zabù-Brado-KTM, Luca Wackermann e Etienne van Empel. As imagens mostraram os dois caídos no chão e pouco tempo depois o gerente da equipe, Angelo Citracca, em entrevista à TV, disse que um helicóptero voou muito baixo e fez com que as barreiras de contenção se movessem e atingissem os ciclistas. Van Empel conseguiu voltar e cruzar a meta, mas Wackermann ficou inconsciente e foi levado para o hospital.

ÚLTIMO KM

 

TOP 10 DA ETAPA
1 Arnaud Demare (Fra) Groupama-FDJ 3:22:13
2 Peter Sagan (Svk) Bora-Hansgrohe m.t.
3 Davide Ballerini (Ita) Deceuninck-Quickstep m.t.
4 Andrea Vendrame (Ita) AG2R la Mondiale m.t.
5 Elia Viviani (Ita) Cofidis m.t. 
6 Stefano Oldani (Ita) Lotto Soudal m.t.
7 Davide Cimolai (Ita) Israel Start-Up Nation m.t.
8 Michael Matthews (Aus) Team Sunweb m.t.
9 Filippo Fiorelli (Ita) Bardiani CSF Faizane’ m.t.
10 Enrico Battaglin (Ita) Bahrain McLaren m.t.

TOP 10 DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 João Almeida (Por) Deceuninck-Quickstep 11:06:36
2 Jonathan Caicedo (Ecu) EF Pro Cycling 0:00:02
3 Pello Bilbao (Esp) Bahrain McLaren 0:00:39
4 Wilco Kelderman (Hol) Team Sunweb 0:00:44
5  arm Vanhoucke (Bel) Lotto Soudal 0:00:55
6 Vincenzo Nibali (Ita) Trek-Segafredo 0:00:57
7 Domenico Pozzovivo (Ita) NTT Pro Cycling 0:01:01
8 Brandon McNulty (EUA) UAE Team Emirates 0:01:13
9 Jakob Fuglsang (Din) Astana Pro Team 0:01:15
10 Steven Kruijswijk (Hol) Team Jumbo-Visma 0:01:17

PRÓXIMA ETAPA
A 5ª etapa, nesta quarta-feira, dia 7 de outubro, será de Mileto a Camigliatello Silano, com 225 km. Esta é a terceira etapa mais longa da corrida e conta com a subida Valico di Montescuro, de categoria 1, de cujo cume os ciclistas vão mergulhar para a meta. Desde o início, em Mileto, a etapa atravessa a Calábria para chegar à costa jônica em Catanzaro Lido, onde ocorre o primeiro dos dois sprints intermediários do dia. Tendo chegado ao mar, a rota quase que imediatamente se afasta dele, cruzando duas subidas de categoria 3.

Após 70 quilômetros de estradas ondulantes no planalto montanhoso da região de Sila, a rota chega à cidade de Cosenza, local do segundo sprint intermediário e também a plataforma de lançamento do Valico di Montescuro, palco de um lendário duelo entre Eddy Merckx e José Manuel Fuente no Giro de 1972, com “o Canibal” igualando-se ao grande escalador espanhol nesta subida e depois largando-o na descida, onde Fuente perdeu por duas vezes o controle. Com extensão de 24,2 km e média de 5,6%, a estrada foi recapeada recentemente e o trecho mais íngreme é uma pequena rampa com gradiente de 18%. Veja altimetria:

A 5ª etapa passa pela Calábria

AS ETAPAS
Etapa 1 – 3 de outubro – Monreale – Palermo – 15,1 km Contrarrelógio individual
Etapa 2 – 4 de outubro – Alcamo – Agrigento – 149 km
Etapa 3 – 5 de outubro – Enna – Etna (Linguaglossa Piano Provenzana) – 150 km
Etapa 4 – 6 de outubro – Catania – Villafranca Tirrena – 140 km
Etapa 5 – 7 de outubro – Mileto – Camigliatello Silano – 225 km
Etapa 6 – 8 de outubro – Castrovillari – Matera – 188 km
Etapa 7 – 9 de outubro – Matera – Brindisi – 143 km
Etapa 8 – 10 de outubro – Giovinazzo – Vieste (Gargano) – 200 km
Etapa 9 – 11 de outubro – San Salvo – Roccaraso (Aremogna) – 208 km
12 de outubro – Descanso
Etapa 10 – 13 de outubro – Lanciano – Tortoreto – 177 km
Etapa 11 – 14 de outubro – Porto Sant’Elpidio – Rimini – 182 km
Etapa 12 – 15 de outubro – Cesenatico – Cesenatico – 204 km
Etapa 13 – 16 de outubro – Cervia – Monselice – 192 km
Etapa 14 – 17 de outubro – Conegliano – Valdobbiadene – Contrarrelógio individual 34,1 km
Etapa 15 – 18 de outubro – Base Aerea Rivolto (Frecce Tricolori) – Piancavallo – 185 km
19 de outubro – Descanso
Etapa 16 – 20 de outubro – Udine – San Daniele del Friuli – 229 km
Etapa 17 – 21 de outubro – Bassano del Grappa – Madonna di Campiglio – 203 km
Etapa 18 – 22 de outubro – Pinzolo – Laghi di Cancano (Parco Nazionale dello Stelvio) – 207 km
Etapa 19 – 23 de outubro – Morbegno – Asti – 253 km
Etapa 20 – 24 de outubro – Alba – Sestriere – 198 km
Etapa 21 – 25 de outubro – Cernusco sul Naviglio – Milão – Contrarrelógio – 15,7 km

LEIA MAIS
Giro d’Itália no Bikemagazine