Passeio de bicicleta pela maior praia do mundo

HomeCicloturismo

Passeio de bicicleta pela maior praia do mundo

Veja como é pedalar na praia considerada a mais longa no mundo no Rio Grande do Sul

O famoso navio naufragado na Praia do Cassino no Rio Grande do Sul – Max Pedaleiro

Do Bikemagazine
Fotos de MaxPedaleiro – Wikiloc

A trilha de bicicleta pela maior praia do mundo estará destinada a se tornar um desafio favorito dos ciclistas brasileiros. Quem nunca enfrentou este desafio pode começar a pensar.

Na verdade, é bem fácil: pedalar sempre a direito, sem elevações e sem problemas sobre qual o melhor caminho a tomar. Mas isso não significa que o ciclista não deva ir preparado.

Praia do Cassino/Hermenegildo
Em Rio Grande (RS), a Praia do Cassino tem esse nome lembrando um antigo estabelecimento de jogo que existiu no local na primeira metade do século XX. O recorde do Livro Guinness como “praia mais longa do mundo” acabou por criar certo conflito com Santa Vitória do Palmar, porque no Chuí a praia se chama do Hermenegildo e essa referência não foi incluída no Livro.

Na prática, claro, trata-se de um imenso areal contínuo de 223 km, que está claramente desafiando os ciclistas.
Ironicamente, ou talvez não, um passeio que começa na Praia do Cassino e segue em direção ao Sul termina junto da fronteira de um país onde os jogos de cassino são liberados e legais.

No Brasil, pelo contrário, só mesmo os jogos de cassino online como o NetBet Blackjack são admitidos. E para ir do Chuí até Punta del Este seria necessário pedalar por mais 218 km. Seria um pouco mais rápido ir de Rio Grande para o interior, até Santana do Livramento, onde basta atravessar a fronteira na Praça Internacional para entrar na cidade uruguaia de Rivera e em seu cassino. Mas esse não é o tema deste artigo.

Que distância percorrer por dia? Quantos dias para o total?
A distância depende muito da experiência do ciclista, de sua vontade de se superar e de seus objetivos ao fazer o percurso. A jornalista Marina Azaredo, em reportagem recente para o Estadão, contou como fez o percurso em três dias.

No primeiro dia pedalou 75km, pernoitando em casa de Jane e Antônio Gonçalves, que passam metade do tempo nessa casa e outra metade em um apartamento no Cassino. No segundo dia o percurso foi de 90km, até um
ponto onde Marina e sua turma decidiram montar a tenda que traziam. A decisão de pedalar mais quilômetros no segundo dia foi decidida para evitar acumular uma grande distância para o último dia, em que o cansaço se iria acumular. Assim, apenas 58km ficaram guardados para o terceiro dia.

O percurso está virando produto turístico. Empresas turísticas estão oferecendo pacotes propondo a realização da trilha em sete dias e seis noites; aí a distância em cada dia é de 30 quilômetros. Essa é claramente uma opção mais aconselhável para quem não tiver a necessária preparação física.

Mas para os mais loucos e experimentados (ou profissionais de ciclismo), será possível fazer o percurso em apenas um dia. Um coletivo revela, no site Histórias da Bicicleta, ter efetuado o trajeto em cerca de dez horas de pedalada.

Concheiro
Todos os que fazem esse percurso pedem especial atenção para o Concheiro, o fenômeno que aparece na segunda metade do percurso. A acumulação de conchas no areal vai variando conforme os meses do ano, mas torna a tarefa do ciclista mais difícil e penosa, comparada com a facilidade pela longa “planície” de areia molhada. Pelo caminho os ciclistas encontrarão o famoso Altair e diversos faróis, até chegarem no que já pode ser considerado praia do Hermenegildo, o que significa que o Chuí está à vista.