Saiba porquê este guidão de 1.500 euros é proibido pela UCI

HomeCompetições

Saiba porquê este guidão de 1.500 euros é proibido pela UCI

O Aero Breakway Bar (ABB) está dando o que falar no ciclismo profissional depois que Jan-Willem Van Schip foi desclassificado no Baloise Belgium Tour

A bike de Van Schip com o guidão da Speedco que foi desclassificado do Baloise Belgium Tour

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

Um novo guidão está dando o que falar no ciclismo profissional. O Aero Breakway Bar (ABB) foi criado pela empresa holandesa Speedco e foi o responsável pela desqualificação do ciclista Jan-Willem Van Schip (Beat Cycling) após sair em uma fuga na terceira etapa da prova belga Baloise Belgium Tour. A atuação de Van Schip na fuga rendeu ao atleta o prêmio de ciclista mais combativo. Mas a alegria durou pouco. Terminada a etapa, o ciclista foi desclassificado da prova.

Confrontada da decisão, a UCI explicou: “Usar os antebraços como ponto de apoio no guidão é proibido, exceto em provas de contrarrelógio”, conforme diz o regulamento.

Em abril, a entidade publicou um guia de segurança com exemplos visuais de posições proibidas em competição, como a polêmica “Super Tuck” usada em longas descidas e também a posição aerodinâmica em que o ciclista repousa os antebraços sobre o guidão convencional.

A posição proibida (em vermelho) segundo o regulamento da UCI

Para resumir: o componente em si não é proibido, mas o uso dele sim.

O guidão ABB tem o objetivo de permitir que o ciclista pedale em uma posição mais aerodinâmica, perfeito para longos trechos em fuga em ataques solo.

O componente consiste em uma mesa de 70mm integrada com um guidão que tem hastes bem longas que possibilitam que o ciclista apoie os antebraços e pedale em uma posição similar ao de uma bike de contrarrelógio. O produto está à venda no mercado europeu por 1.500 euros e a fabricação é customizada sob encomenda.

O Aero Breakway Bar da Speedco com o suporte de GPS integrado

A equipe Beat Cycling alega que a bike com o ABB foi mostrada a um comissário antes da largada e teve a aprovação de uso. A UCI nega que tenha sido consultada previamente.

A novidade também não agradou a muitos ciclistas, entre eles o belga Remco Evenepoel, que também estava na disputa.

“Um guidão como este não é para pedalar em um grande grupo. Guidões normais ainda são a essência do ciclismo”, disse Evenepoel.