Tour 2021: Merlier vence 3ª etapa em mais um dia com muitas quedas

HomeCompetições

Tour 2021: Merlier vence 3ª etapa em mais um dia com muitas quedas

Na chegada, Caleb Ewan e Peter Sagan ficaram no chão; Thomas, Roglic e Pogacar também se envolveram em acidentes

Merlier na vitória da 3ª etapa

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/ASO

O belga Tim Merlier (Alpecin Fenix) venceu nesta segunda-feira (28 de junho) a 3ª etapa do Tour de France, em mais um dia com muitas quedas no pelotão, que provocaram grandes mudanças na classificação geral.

Na chegada, a queda mais espetacular foi protagonizada por Caleb Ewan (Lotto Soudal) e Peter Sagan (Bora Hansgrohe), a 150 metros da meta, em Pontivy, após percurso de 182,9 km. Ewan tocou roda com o ciclista da frente e Sagan foi envolvido na queda. Após a etapa, a Lotto Soudal comunicou que Ewan fraturou a clavícula e está fora do Tour.

Os quilômetros finais foram arruinados por uma sucessão de acidentes: Primoz Roglic (Jumbo-Visma) caiu a 9 quilômetros da chegada e perdeu 1min21s. Outro acidente atingiu o meio do pelotão a 4 quilômetros da chegada, incluindo Tadej Pogačar (UAE Emirates).

Merlier, que contou com o trabalho do camisa amarela e colega de equipe Mathieu van der Poel na embalada, cruzou em 1º, com o companheiro Jasper Philipsen em 2º. Esta foi a segunda vitória seguida da equipe Alpecin-Fenix no Tour 2021. Nacer Bouhanni (Arkéa-Samsic) ficou em 3º. Van der Poel terminou em 7º e segurou a liderança geral.

Merlier, que venceu uma etapa do Giro d’Italia 2021, cruzou a linha com o tempo de 4h01min28s. “Estou vivendo um sonho. Depois do Giro, eu já estava muito feliz, mas agora ganhei uma etapa no Tour, a maior corrida do mundo. Não posso acreditar”, disse. “Mathieu disse que ia embalar e eu disse, ‘você é louco’, mas ele adora fazer isso, então Jasper Philipsen assumiu os últimos 700 metros. Foi uma ótima embalada e para mim só faltava percorrer os últimos 150 metros. Olhei para trás e não pude acreditar, não havia mais ninguém no meu volante. Houve um acidente, então esse seria o motivo, eu acho. “Não acredito, é um sonho”, concluiu.

Como resultado das quedas, apenas Richard Carapaz (Ineos Grenadiers) e Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) conseguiram evitar perder tempo entre os favoritos da classificação geral.

No percurso da 3ª etapa

A etapa no sul da Bretanha foi a primeira oportunidade para os velocistas no Tour 2021, apesar de duas subidas de categoria 4, a Côte de Cadoudal após 91 quilômetros e a Côte de Pluméliaeu após 148 quilômetros. Ide Schelling (Bora-Hansgrohe) saiu forte para reconquistar a liderança de montanha e conseguiu. O alemão, que usava a camisa de bolinhas vermelhas por ser o segundo colocado na classificação, atrás de Van der Poel, conquistou os pontos e retomou a liderança.

Schelling e mais dois ciclistas da equipe bretã B & B Hotels p / b KTM, Cyril Barthe e Maxime Chevalier, além de Jelle Wallays (Cofidis) e Michael Schär (AG2R Citroen) escaparam e chegaram a abrir 2min30s de vantagem.

No pelotão, a Lotto Soudal e a Groupama-FDJ começaram a trabalhar na frente para limitar a diferença em nome de seus velocistas Caleb Ewan e Arnaud Démare.

Passagem do pelotão na 3ª etapa na Bretanha

Mas um acidente na frente do pelotão perturbou a ordem natural da etapa, quando Geraint Thomas (Ineos Grenadiers) caiu após 37 quilômetros depois de um toque de rodas com Robert Gesink (Jumbo-Visma), que se chocou contra o galês, dando cambalhotas no chão. Thomas deslocou o ombro e não teve fraturas e foi capaz de retornar. Gesink abandonou.

Mas à frente, dois ciclistas da Qhubeka NextHash, Sean Bennett e Nic Dlamini, também se envolveram em uma queda.

No pelotão, as equipes de sprint e classificação geral controlavam rumo aos quilômetros finais. Os últimos escapados foram alcançados a 10 km da meta, mas aí veio a sucessão de acidentes.

Em um deles, Valentin Madouas (Groupama-FDJ) caiu junto com Miguel Ángel López (Movistar). Um quilômetro depois, foi a vez de Roglic ir para o chão. A maioria da equipe holandesa esperou o líder e tentou levá-lo de volta, mas o pelotão estava a mais de 1 minuto à frente. Com um trecho final com curvas fechadas para entrar e sair de uma ponte, foi a vez de Pogacar cair. A 2 km da meta, Arnaud Démare (Groupama-FDJ) também caiu e ficou de fora do sprint.

Na frente, o camisa amarela Van der Poel trabalhou para seu velocista Tim Merlier, que estava na frente quando Caleb Ewan tocou na roda do adversário. Sagan, atrás, não teve como evitar a colisão, mas Bouhanni conseguiu desviar.

Depois da etapa, após atendimento médico, a Bahrain Victorious confirmou que seu líder, Jack Haig, que se envolveu na queda da curva final, estava fora do Tour.

Após a etapa, chefes de equipe reclamaram das condições da disputa. “Não podemos continuar assim. Temos filhos, pais, mães assistindo e eles não vão querer que seus filhos pratiquem esse esporte. Temos que mudar isso porque não podemos continuar fazendo assim”, afirmou Marc Madiot, chefe da equipe Groupama-FDJ. “Não quero estar na situação de ter de telefonar para os pais de um ciclista e dizer que seu filho está no hospital.”

Van der Poel estreou bicicleta nova para celebrar sua primeira camisa amarela

Na classificação geral, Van der Poel manteve os 8 segundos de vantagem sobre Julian Alaphilippe, mas houve muitas mudanças. Richard Carapaz (Ineos Grenadiers) subiu 15 posições e está em 3º lugar, a 31 segundos, mesmo tempo de Wout Van Aert (Jumbo-Visma), em 4º. Pogacar caiu da 3ª para a 6ª colocação, a 39 segundos. Roglic, que era o 4º, caiu para 20º, e está a 1min35s. Geraint Thomas, que sofreu, mas terminou, subiu duas colocações e está em 18º, a 1min07s.

Sobre a polêmica etapa, o camisa amarela Van der Poel disse: “É sempre difícil ter uma opinião, já tivemos muitas finais em que os caras caíram. Corremos em estradas abertas, nem sempre sabemos o que está por vir e a velocidade é tão alta. Com certeza os últimos 10 km foram um pouco rápidos e longos, mas você também vê acidentes em estradas retas. São também os ciclistas que batem, com certeza é um esporte perigoso.”

ÚLTIMO KM

MELHORES MOMENTOS

TOP 10 DA ETAPA
1 Tim Merlier (Bel) Alpecin-Fenix 4:01:28
2 Jasper Philipsen (Bel) Alpecin-Fenix m.t.
3 Nacer Bouhanni (Fra) Team Arkea-Samsic m.t.
4 Davide Ballerini (Ita) Deceuninck-QuickStep m.t.
5 Sonny Colbrelli (Ita) Bahrain Victorious m.t.
6 Julian Alaphilippe (Fra) Deceuninck-QuickStep m.t.
7 Mathieu van der Poel (Ned) Alpecin-Fenix m.t.
8 Cees Bol (Ned) Team DSM m.t.
9 Anthony Turgis (Fra) TotalEnergies m.t.
10 Maximilian Walscheid (Ger) Qhubeka-NextHash m.t.

TOP 10 DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 Mathieu van der Poel (Hol) Alpecin-Fenix 12:58:53
2 Julian Alaphilippe (Fra) Deceuninck-QuickStep 0:00:08
3 Richard Carapaz (Equa) Ineos Grenadiers 0:00:31
4 Wout Van Aert (Bel) Jumbo-Visma
5 Wilco Kelderman (Hol) Bora-Hansgrohe 0:00:38
6 Tadej Pogacar (Slo) UAE Team Emirates 0:00:39
7 Enric Mas Nicolau (Esp) Movistar Team 0:00:40
8 Nairo Quintana (Col) Team Arkea-Samsic
9 Pierre Latour (Fra) TotalEnergies 0:00:45
10 Sergio Higuita Garcia (Col) EF Education-Nippo 0:00:52

AS CAMISAS
Camisa amarela – classificação geral – Mathieu van der Poel (Alpecin-Fenix)
Camisa verde – classificação por pontos – Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep)
Camisa de bolinhas vermelhas – classificação de montanha – Ide Schelling (Bora-Hansgrohe)
Camisa branca – classificação de melhor jovem – Tadej Pogacar (UAE Emirates)
Ciclista mais combativo da etapa – Michael Schär (AG2R Citroen)

Próxima etapa
A 4ª etapa, nesta terça-feira, continua na Bretanha, e também será para os velocistas, de Redon a Fougeres, com 150,4 km.

AS ETAPAS
Etapa 1 – 26 de junho – Brest – Landerneau – 197,8 km
Etapa 2 – 27 de junho – Perros-Gueirec – Mûr-de-Bretagne – 183,5 km
Etapa 3 – 28 de junho – Lorient – Pontivy – 182,9 km
Etapa 4 – 29 de junho – Redon – Fougeres – 150,4 km
Etapa 5 – 30 de junho – Changé – Laval Espace Mayenne – 27,2 km contrarrelógio individual
Etapa 6 – 1 de julho – Tours – Chateauroux – 160,6 km
Etapa 7 – 2 de julho – Vierzon – Le Creusot – 249,1 km
Etapa 8 – 3 de julho – Oyonnax – Le Grand-Bornand – 150,8 km
Etapa 9 – 4 de julho – Cluses – Tignes – 144,9 km
Dia de descanso 1
Etapa 10 – 6 de julho – Albertville – Valence – 190,7 km
Etapa 11 – 7 de julho – Sorgues – Malaucene – 198,9 km
Etapa 12 – 8 de julho – St-Paul-Trois – Chateaux Nimes – 159,4 km
Etapa 13 – 9 de julho – Nimes – Carcassonne – 219,9 km
Etapa 14 – 10 de julho – Carcassonne – Quillan – 183,7 km
Etapa 15 – 11 de julho – Céret – Andorre la Vieille – 191,3 km
Dia de descanso 2
Etapa 16 – 13 de julho – Pas de la Case – Saint-Gaudens 169 km
Etapa 17 – 14 de julho – Muret – Saint Lary Soulan-Col du Portet 178,4 km
Etapa 18 – 15 de julho – Pau – Luz Ardiden 129,7 km
Etapa 19 – 16 de julho – Mourenx – Libourne 207 km
Etapa 20 – 17 de julho – Libourne – Saint-Emilion – 30,8 km Contrarrelógio individual
Etapa 21 – 18 de julho – Chatou – Paris-Champs-Élysées 108,4 km

LEIA MAIS
Tour de France no Bikemagazine