Carapaz é ouro com vitória solo; Van Aert prata e Pogacar bronze

HomeCompetições

Carapaz é ouro com vitória solo; Van Aert prata e Pogacar bronze

Equatoriano atacou a 25 km do final e venceu com 1min07s de vantagem a prova do ciclismo de estrada dos Jogos Olímpicos de Tóquio

O equatoriano Richard Carapaz na vitória do ciclismo de estrada dos Jogos de Tóquio

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/UCI

O equatoriano Richard Carapaz, de 28 anos, conquistou a medalha de ouro na prova do ciclismo de estrada olímpico neste sábado (24 de julho) nos Jogos de Tóquio. Carapaz faturou vitória solo, com o tempo de 6h05min26s, com 1min07s de vantagem, depois de atacar a 25 km do final da disputa de 234 km, com a icônica escalada ao Monte Fuji e 4.865 metros de escalada acumulada.

“A verdade é que é um momento incrível que as palavras não podem descrever”, comemorou Carapaz, que se emocionou com o hino do Equador no pódio. “Obrigado pelo apoio de quem realmente me ajudou a chegar aqui. No meu país dizem que a gente deve acreditar. Eu consegui,  fiquei muito satisfeito. Eu trabalhei muito duro e então funcionou de um jeito que fez história para mim e meu país.”

Esta é segunda medalha de ouro conquistada pelo Equador em Jogos Olímpicos depois da vitória do atleta de marcha atlética Jefferson Pérez nos Jogos Atlanta – 1996.

Carapaz acelerou para responder a um ataque do norte-americano Brandon McNulty e ambos seguiram juntos a descida final. A 5,8 km da meta, o equatoriano deixou o companheiro da fuga para trás e seguiu sozinho para a vitória.

Carapaz, vencedor do Giro d’Italia de 2019 e que terminou em 3º lugar o Tour de France 2021, encerrou com tempo mais do que suficiente para receber os aplausos da torcida após seis horas de corridas brutais em condições de calor e umidade.

No pelotão perseguidor, na disputa pelas medalhas de prata e bronze, o belga Wout van Aert, vencedor de três etapas do Tour 2021, superou o ataque final do campeão do Tour, o esloveno Tadej Pogacar.

Pogacar e Van Aert se cumprimentam após a chegada

Pódio olímpico do ciclismo de estrada

A disputa começou com uma fuga onde estavam Michael Kukrle (República Tcheca), Juraj Sagan (Eslováquia), Polychronis Tzortzakis (Grécia), Eduard-Michael Grosu (Romênia), Elchin Asadov (Azerbaijão), Paul Daumont (Burkina Faso), Nic Dlamini (África do Sul) e Aular Sanabria (Venezuela), que abriram uma vantagem de 19 minutos.

Houve um acidente com pouco mais de 150 km de corrida restante que derrubou vários ciclistas, incluindo Geraint Thomas, Tao Geoghegan Hart, Gregor Muehlberger e Giulio Ciccone. Mais tarde, Thomas abandonou.

Com a perseguição do pelotão se tornando constante sobre o Monte Fuji, a diferença para os líderes rapidamente começou a diminuir, com o belga Greg Van Avermaet, ouro nos Jogos Rio-2016, fazendo grandes acelerações. A vantagem sobre escapados começou a diminuir a 100 km do final.

Os últimos da fuga, Kukrle, Tzortzakis e Sanabria, foram alcançados e depois da segunda passagem pelo circuito Fuji Speedway, chegava a hora de escalar o Mikuni. O grupo foi reduzido e um dos ficaram para trás foi o espanhol Alejandro Valverde.

Pogacar acelerou forte a 37,4 km do fim mas, ao contrário do que aconteceu no Tour de France, o esloveno não conseguiu abrir grande vantagem. Michael Woods e McNulty conseguiram o alcançar, eles seguiram juntos enquanto, atrás, Van Aert assumiu a perseguição. Nesse ponto, Carapaz estava um pouco distanciado, mas quando Pogacar foi pego, a 33 km do fim, o ciclista do Equador mostrou que era a hora do “agora ou nunca”.

Como esperado, grande parte da disputa acabou em uma batalha para poucos após a dura passagem pelo Mikuni, a escalada mais desafiadora do percurso, com 5 quilômetros de extensão com uma inclinação de 11,5%.

Carapaz alcançou McNulty e logo a dupla abriu vantagem na ponta, que rapidamente chegou a 1 minuto. Atrás, Pogacar, Van Aert, o britânico Adam Yates, o holandês Bauke Mollema, o canadense Michael Woods, o francês David Gaudu, o colombiano Rigoberto Uran e o alemão Max Schachmann começaram uma forte aceleração. Carapaz largou McNulty, os perseguidores conseguiram reduzir a diferença para 15 segundos, mas era tarde demais. A vitória era do equatoriano.

O pelotão largou com 129 ciclistas e 85 terminaram a prova.

RESULTADO 
1 Richard Carapaz (Equador) 6:05:26
2 Wout van Aert (Bélgica) 0:01:07
3 Tadej Pogacar (Eslovênia) m.t.
4 Bauke Mollema (Holanda) m.t.
5 Michael Woods (Canadá) m.t.
6 Brandon McNulty (EUA) m.t.
7 David Gaudu (França) m.t.
8 Rigoberto Uran (Colômbia) m.t.
9 Adam Yates (Grã-Bretanha) m.t.
10 Max Schachmann (Alemanha) m.t.

11 Michal Kwiatkowski (Polônia) 0:01:35
12 Jakob Fuglsang (Dinamarca) 0:02:43
13 João Almeida (Portugal) 0:03:38
14 Alberto Bettiol (Itália) m.t.
15 Dylan van Baarle (Holanda) m.t.
16 Daniel Martin (Irlanda) m.t.
17 Simon Yates (Grã-Bretanha) m.t.
18 Patrick Konrad (Áustria) m.t.
19 Rafal Majka (Polônia) 0:03:40
20 Gianni Moscon (Itália) 0:03:42
21 Alexey Lutsenko (Cazaquistão) 0:06:20
22 Toms Skujins (Letônia) m.t.
23 Gorka Izagirre (Espanha) m.t.
24 Damiano Caruso (Itália) m.t.
25 Marc Hirschi (Suíça) m.t.
26 George Bennett (Nova Zelândia) m.t.
27 Guillaume Martin (França) m.t.
28 Primoz Roglic (Eslovênia) m.t.
29 Emanuel Buchmann (Alemanha) m.t.
30 Hermann Pernsteiner (Áustria) 0:07:51
31 Michael Schar (Suíça) m.t.
32 Pavel Sivakov (Rússia) m.t.
33 Krists Neilands (Letônia) 0:10:12
34 Markus Hoelgaard (Noruega) m.t.
35 Yukiya Arashiro (Japão) m.t.
36 Michael Kurkle (República Tcheca) m.t.
37 Kevin Geniets (Luxemburgo) m.t.
38 Kenny Elissonde (França) m.t.
39 Eder Frayre Moctezuma (México) m.t.
40 Stefan Kung (Suíça) m.t.
41 Nelson Oliveira (Portugal) m.t.
42 Alejandro Valverde (Espanha) m.t.
43 Jan Polanc (Eslovênia) m.t.
44 Tom Dumoulin (Holanda) m.t.
45 Esteban Chaves (Colômbia) m.t.
46 Tanel Kangert (Estônia) m.t.
47 Jhonatan Narvaez (Equador) m.t.
48 Richie Porte (Austrália)m.t.
49 Remco Evenepoel (Bélgica) m.t.
50 Amanuel Ghebreigzabhier (Eritreia) m.t.
51 Wilco Kelderman (Holanda) m.t.
52 Stefan De Bod (África do Sul) 0:11:27
53 Vincenzo Nibali (Itália) m.t.
54 Nikias Arndt (Alemanha) m.t.
55 Merhawi Kudus (Eritreia) m.t.
56 Anatolii Budiak (Ucrânia) m.t.
57 Benoit Cosnefroy (França) m.t.
58 Tiesj Benoot (Bélgica) m.t.
59 Aleksandr Vlasov (Rússia) m.t.
60 Giulio Ciccone (Itália) m.t.
61 Tobias Foss (Noruega) m.t.
62 Jesus Herrada (Espanha) m.t.
63 Polychronis Tzortzakis (Grécia) 0:16:20
64 Muradjan Khalmuratov (Uzbequistão) m.t.
65 Guillaume Boivin (Canadá) m.t.
66 Aleksandr Riabushenko (Bielo-Rússia) m.t.
67 Jan Tratnik (Eslovênia) m.t.
68 Andrey Amador (Costa Rica) m.t.
69 Nairo Quintana (Colômbia) m.t.
70 Gregor Muhlberger (Áustria) m.t.
71 Lucas Hamilton (Austrália) m.t.
72 Luke Durbridge (Austrália) m.t.
73 Michel Ries (Luxemburgo) m.t.
74 Gino Mader (Suíça) m.t.
75 Nicolas Roche (Irlanda) m.t.
76 Edward Dunbar (Irlanda) m.t.
77 Mauri Vansevenant (Bélgica) m.t.
78 Michael Valgren (Dinamarca) m.t.
79 Ion Izagirre (Espanha) m.t.
80 Lawson Craddock (EUA) m.t.
81 Sergio Higuita (Colômbia) m.t.
82 Tobias Johannessen (Noruega) 0:19:46
83 Andreas Leknessund (Noruega) m.t.
84 Nariyuki Masuda (Japão) 0:19:50
85 Hugo Houle (Canadá) m.t.

LEIA MAIS
Jogos de Tóquio no Bikemagazine