HomeVariedades

Ciclismo demonstra estar em alta no Brasil

Crescimento da modalidade no Brasil superou todas as expectativas apesar da pandemia

Henrique Avancini  garantiu o 13° lugar nos Jogos de Tóquio

Do Bikemagazine
Foto de divulgação

Que o brasileiro é apaixonado por esportes, principalmente o futebol, isso todo mundo sabe, porém, outra modalidade tem ganhado o coração esportista dos tupiniquins. Estamos falando do ciclismo, segmento que é muito técnico, e por conta disso a procura por produtos e serviços que possam atender a ciclistas iniciantes e profissionais da modalidade tem crescido a cada dia no país.

Dessa forma, empresas que estão associadas ao setor têm experimentado uma ascensão que impressiona, Enquanto isso, eventos como o Grangiro também vêm ganhando espaço no cenário nacional. Ele é organizado pela Effect, uma agência já bem consolidada no mercado, e que promoveu a primeira etapa do evento, em abril. Sendo que a segunda etapa está marcada para o dia 29 de agosto, evidenciando retomada das competições outdoor, após a paralisação causada pela crise sanitária.

Mas o que justifica o recente crescimento do ciclismo no país? Nós te explicamos.

Representatividade
O crescimento do ciclismo no Brasil é impressionante e, mesmo durante o período mais duro da crise sanitária, o mercado relacionado à modalidade cresceu e ganhou mais adeptos. Em boa parte, isso se deve à presença de brasileiros nas competições mundiais, e um dos principais fenômenos do esporte é o campeão mundial Henrique Avancini, que impulsionou e muito a prática no país.

Recentemente, Avancini conseguiu a 13ª colocação na prova de mountain bike XCO durante os Jogos Olímpicos, posição que talvez tenha desapontado alguns palpiteiros que aproveitaram os bônus de cadastro nas plataformas de apostas esportivas e acreditavam em um desempenho melhor do brasileiro por conta do seu histórico. Porém, mesmo este não sendo o melhor resultado do mundo, ele foi muito significativo para comunidade, dando aos praticantes do esporte um sentimento de orgulho e triunfo. E isso tem uma explicação óbvia para os amantes da modalidade: Avancini chegou a liderar o início da prova, e teve um bom desempenho durante todo o percurso. Mas o que realmente chama atenção foi seu esforço para disputar uma competição entre os melhores.

Para chegar a tal ponto, o brasileiro trabalhou por quase uma década, e sua carreira teve altos e baixos durante esse período, mas Avancini conseguiu sair do fundo do pelotão, para ocupar o primeiro lugar do ranking em 2020, sendo o primeiro Campeão Mundial vindo do continente sul-americano. Contudo, o brasileiro não só conquistou vários pódios e medalhas nos principais torneios da modalidade durante a suas pedaladas, mas teve como papel principal alavancar o ciclismo no Brasil, e fortalecer um cenário esportivo que vem ganhando cada vez mais adeptos desde o ano passado.

O que dizem os números?
De acordo com dados da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), os fabricantes de bikes produziram mais de 355 mil unidades apenas no primeiro semestre de 2021. Esses valores são 42,6% superiores ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram fabricadas 249.494 bicicletas. Somente em junho deste ano, foram construídas 66.774 unidades, e se comparado ao mesmo mês de 2020, são aproximadamente 20 mil unidades a mais. Sendo este o melhor resultado desde o mês de junho desde 2015, quando 76.811 bikes foram fabricadas.

Entre janeiro e junho deste ano, o modelo de bicicleta mais produzido foi a Mountain Bike (MTB), somando 214.377 unidades, o que corresponde a 60,3% do total produzido. Posteriormente, vem o modelo catalogado como Urbana/Lazer, com 103.756 unidades construídas, o que corresponde a 29,2% do total. Com números impressionantes, a tendência é que a modalidade continue crescendo, ainda mais com o grande interesse da população pela prática e com um atleta de alto rendimento como referência técnica. Podemos ter certeza de que a hora do ciclismo no Brasil chegou, e as demais modalidades esportivas que comecem a pedalar para não ser deixadas para trás.