Peter Sagan sai da Bora-Hansgrohe e vai integrar a Total Energies

HomeCiclismo

Peter Sagan sai da Bora-Hansgrohe e vai integrar a Total Energies

Uma das transferências mais comentadas de 2021 é a mudança de Sagan de uma equipe World Tour para um time da segunda divisão

Sagan na vitória da 10ª etapa do Giro d’Italia 2021

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

Entre as transferências de equipe mais comentada da temporada está a saída do eslovaco Peter Sagan da Bora-Hansgrohe. O tricampeão mundial (2015, 2016 e 2017), de 31 anos, que integrou a equipe alemã por cinco temporadas, vai mudar para a equipe Total Energies em um contrato de duas temporadas, uma mudança que chamou atenção, já que Sagan deixa um time da primeira divisão por um de categoria Continental.

“Quando entrei na Bora-Hansgrohe, no final de 2016, ela era uma equipe pequena. Em poucos anos, tudo mudou e ela se tornou uma das maiores estruturas do World Tour. O que quero dizer é que já estive lá. O mais importante não é o estado atual da equipe, mas o que vamos fazer com ela. O fato de a Total Energies não estar no World Tour hoje não é um problema para mim. Quero ajudar a torná-la um grande time”, comentou Sagan.

Sua última prova com a Bora-Hansgrohe deverá ser a Paris-Roubaix, que ele venceu em 2018. A clássica, em 2021, por causa da pandemia, foi remarcada para o dia 3 de outubro. Antes, Sagan estará no Campeonato Mundial, em Flanders, na Bélgica, entre os dias 19 a 26 de setembro.

“Na Bora, conquistamos muita coisa e, mesmo nos momentos difíceis, nós ficamos unidos. Não éramos apenas colegas, mas sim uma grande família. Não tenho dúvidas de que as cinco temporadas que passei na equipe estão entre as melhores da minha carreira e que alguns dos momentos mais memoráveis aconteceram nesse período”, disse.

Com a chegada de Sagan, a equipe passará a ser equipada pela Specialized e pela fabricante de equipamentos Sportful, que acompanham o eslovaco desde 2015.

A mudança de Sagan para a Total Energies foi confirmada algumas horas depois que a Bora-Hansgrohe anunciou o retorno do irlandês Sam Bennett para a equipe. Vale lembrar que Pascal Ackerman também deixará a Bora-Hansgrohe e deverá substituir Alexander Kristoff na UAE Emirates.

Sagan com o filho Marlon no pódio do Giro 2021, na vitória da classificação por pontos

O diretor da equipe, Jean-René Bernaudeau, comemorou a contratação. “Contratar Peter é obviamente uma incrível fonte de orgulho. Ele é sem dúvida o ciclista mais popular do mundo, é um talento excepcional, vai nos fazer mudar de dimensão. Essa contratação é acima de tudo um sinal da nossa ambição. O Peter é um grande talento, todos sabem e, sobretudo, vai trazer-nos vitórias: para isso contamos com ele.”

“Jean-René Bernaudeau é um empresário que quer mudar o mundo do ciclismo, espero poder ajudar esta equipe a ganhar muitas corridas. Por enquanto, é claro, continuo focado nos objetivos do final da temporada com minha equipe atual, mas depois vou entrar na minha nova formação com espírito de vitória”, disse Sagan, que venceu etapas do Giro d’Italia em 2020 e 2021 e encerrou a corrida deste ano com a camisa ciclamino da classificação por pontos.

Sagan recebe sua placa nos chuveiros de Roubaix após a vitória em 2018

No Tour de France de 2021, porém, Sagan foi obrigado a abandonar após se machucar em uma queda na chegada da 3ª etapa, quando colidiu com Caleb Ewan. O eslovaco seguiu na disputa até a 11ª etapa, mas desistiu por causa de fortes dores no joelho. Depois, passou por cirurgia e teve que renunciar aos Jogos de Tóquio.

Sagan, vale destacar, venceu sete vezes a camisa verde da classificação por pontos do Tour de France. Em 2019, superou o recorde de Erik Zabel (que venceu a camisa verde de 1996 a 2001) enquanto se divertia pelas estradas da França, com wheelie nas chegadas e dando autógrafo pedalando.

O eslovaco conheceu o diretor da Total Energies três anos atrás, no Tour de France, e admirou seu trabalho. Na negociação para a transferência, há alguns meses, Sagan perguntou se poderia participar de provas de MTB e gravel. “Quando o encontrei, Sagan me perguntou, sem muita convicção, como se não ousasse, se poderia participar de provas de mountain bike e de gravel. É claro que sim”, comentou Bernaudeau. “Para mim é um novo mercado e vai abrir novas portas.”

LEIA MAIS
Peter Sagan no Bikemagazine