Chamorro vence estreia do L’Étape Brasil no Rio de Janeiro

HomeCompetições

Chamorro vence estreia do L’Étape Brasil no Rio de Janeiro

No feminino, a vencedora foi Laís Saes; cerca de dois mil ciclistas participaram da disputa, que teve parte do trajeto igual ao dos Jogos-Rio 2016

Chamorro vence sprint do L’Étape Brasil Rio

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

“Foi um final muito emocionante, já ganhei outras corridas nesse circuito do Rio de Janeiro e gostei demais da prova. Foi um percurso difícil, bastante úmido e com bons adversários. Utilizei tudo que tinha de melhor no plano e na descida”, comemorou o argentino Francisco Chamorro (Memorial-Santos), de 40 anos, que venceu neste domingo (21 de novembro) a primeira edição do L’Étape Rio no sprint final no Aterro do Flamengo.

José Eriberto Filho (Eriberto Medeiros Ciclismo e Treinamento) e Alessandro Guimarães (Swift Carbon) ficaram em 2º e 3º.

“Consegui encostar no grupo da frente, pois os dois que abriram – Pippo Garnero e Otávio Bulgarelli – são fortes para escalar montanha e têm mais dificuldade no plano por causa do vento. O pelotão que veio de trás encostou e a prova foi decidida na chegada”, contou o vencedor.

 

A prova, com 102 quilômetros, reuniu mais de 2 mil ciclistas, que percorreram parte do trajeto usado na prova de estrada dos Jogos Rio 2016. A largada foi às 5h na frente da Marina da Glória, onde ficava o Village do Tour de France.

Antes do ataque final nas três voltas entre o Centro do Rio de Janeiro e o bairro de Botafogo, o duelo ficou restrito aos últimos vencedores do L’Étape Brasil em Campos do Jordão (SP). O tricampeão Otávio Bulgarelli rivalizou nas subidas de 1.096 m de altimetria acumulada com Pippo Garnero, que ficou com o título do Rei da Montanha Strava.

“Foi uma prova dura, a condições climáticas não perdoam, te sugam! Fiz minha estratégia de fazer um ataque na subida e peguei o Rei da Montanha Strava. Preferi não atacar sabendo que o Chamorro, que é da minha equipe, ia chegar. Na última volta o grupo perseguidor, formado por passistas, encostou na gente vindo como uma locomotiva”, comentou Pippo Garnero.

Laís Saes venceu no feminino

No feminino, na versão completa, a paulista Laís Saes seguiu à risca a sua estratégia traçada nos treinos pelas estradas do interior de São Paulo e dominou a prova de ponta a ponta. “Não poderia ter sido melhor. Eu vim para essa prova bem confiante, estava tranquila, a minha ideia era brigar pelo geral. É um percurso que tem muito minha característica, por não ter muita subida íngreme. A maior diferença do Rio é a questão térmica mesmo. O túnel acaba passando bastante calor, mas é muito legal, porque pegamos uma velocidade muito boa lá dentro”, contou Laís Saes (Pedal Power).

Em segundo lugar na categoria feminina no geral ficou a também paulista Carol Bilato, enquanto Bia Neres terminou em terceiro.

Na versão de 46 quilômetros, a vencedora foi a goiana Renata Novaes (Santi Treinos), seguida por Laís Papalardo e Carolina Sales. A atleta amadora Renata é uma verdadeira Fidéle, ou seja, participante de todas as etapas do L’Étape Brasil, que foram oito desde 2015. “Muito legal participar aqui no Rio e certamente ano que vem vou voltar”.

Luca Ascenço, também representante da Santi Treinos de Goiás, foi o ganhador no masculino da distância menor do L’Étape. O jovem ciclista é filho de Santiago Ascenço. “Além de força, foi muita estratégia. É preciso ser esperto para vencer em uma distância menor. Foi uma prova linda e muito legal de participar. Em segundo, nos 46 quilômetros, ficou Leandro Moretti.

Embaixador do Tour de France e com cinco edições olímpicas no ciclismo, Murillo Fischer voltou ao palco de sua despedida como atleta profissional. Foi nas mesmas ruas e avenidas do Rio de Janeiro durante os Jogos de 2016 que ele se despediu do alto rendimento. “Sem dúvida foi sensacional passar no local de minha última competição profissional. Tenho que admitir que algumas lágrimas caíram. O L’Étape é uma prova para os gringos babarem”, recordou Murillo Fischer.

Resultados completos aqui