Giro d’Italia 2022 terá 51 mil metros de escalada total

HomeCompetições

Giro d’Italia 2022 terá 51 mil metros de escalada total

Percuso da prova de 2022, que vai largar na Hungria, terá dois contrarrelógios e 12 etapas nas montanhas

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

O percurso do Giro d’Italia de 2022, que será disputado entre 6 e 29 de maio, vai começar em Budapeste, na Hungria, e terminar em Verona com um contrarrelógio de 17,1 km. O trajeto foi apresentado oficialmente e vai contar com 51.000 m de escalada ao longo das três semanas. O percurso da 105ª edição terá 7 etapas para velocistas, 6 de média montanha, 6 de altas montanhas e duas cronos no trajeto de 3.410 km totais.

 

O Giro 2022 terá a menor quilometragem em contrarrelógio em 60 anos. Além da crono final, o pelotão terá 9,2 km de contrarrelógio na 2ª etapa, na Hungria, num total de 26,3 km. “As duas cronos terão um papel importante a cumprir: a primeira porque deve atribuir uma nova maglia rosa que pode ser usada por vários dias, enquanto a segunda pode ser decisiva na classificação geral”, disse o diretor da prova, Mauro Vegni.

O Giro já havia terminado com um contrarrelógio em Verona em quatro ocasiões anteriores, a mais famosa em 1984, quando Francesco Moser vendeu o então maglia rosa Laurent Fignon. Na última vez do Giro em Verona, em 2019, Chad Haga foi o vencedor e Richard Carapaz comemorou o título geral.

Assim como em 2019, o contrarrelógio final começará e terminará em Verona, incluindo a escalada de Torricelle, que entrou no percurso do Campeonato Mundial em 1999 e 2004.

Na Hungria, a corrida começa com uma etapa rápida nas proximidades com a fronteira com a Eslováquia. No dia seguinte tem a crono e, na terceira e última disputa no país, mais um dia plano para favorecer os velocistas. Após a primeira largada estrangeira do Giro em quatro anos, o pelotão terá um dia de descanso por causa da longa transferência para a Sicília.

Percurso da 4ª etapa, com escalada ao Etna

O pelotão chega à Itália na 4ª etapa, com uma chegada ao topo do Monte Etna. Na 7ª etapa, com mais de 4 mil metros de escalada acumulada, o pelotão vai passar pelas montanhas da Calábria e Basilicata. Um dia depois, o Giro volta a Nápoles pela primeira vez desde a edição de 2013, com uma corrida no circuito vulcânico Campi Flegrei antes de uma final à beira-mar. A chegada ao topo de Blockhaus, na etapa 9, encerra a primeira semana.

A segunda semana terá uma série de desafios. Os velocistas terão outra oportunidade na etapa 11 antes de outra etapa complicada e montanhosa de Parma a Gênova, que inclui a subida e a descida do Passo del Bocco, onde Wouter Weylandt tragicamente perdeu a vida no Giro de 2011.

Uma etapa entre San Remo a Cuneo – de certa forma, o reverso da rota Milão-San Remo de 2020 – promete muitos desafios, assim como o dia seguinte, na região de Torino, na etapa 14. Com apenas 153 km de trajeto, a terá 3.470 m de escalada, dando duas voltas e meia em um circuito que compreende o Colle della Maddalena, o Superga e o Roccia Santa Brigida.

A segunda semana termina com um dia montanhoso nos Alpes, no Parque Nacional Gran Paradiso, com 46 km dos 80 km finais em subida.

A penúltima etapa promete uma grade batalha até o Passo Fedaia

A terceira semana segue nas alturas, com um desfecho desde já muito esperado. Após uma difícil etapa de montanha média em Friuli com uma finalização difícil em Castelmonte na 19ª etapa, o último fim de semana do Giro terá uma exigente etapa nas Dolomitas, com o Passo San Pellegrino, o Passo Pordoi e o Passo di Fedaia antes do contrarrelógio final. A etapa envolve três subidas de categoria 1, e a corrida ultrapassa os 2.000 metros de altitude.

O Passo San Pellegrino é seguido pelo Cima Coppi, o ponto mais alto deste Giro, o Passo Pordoi com 2.239 m de altura. A chegada da etapa, por sua vez, é no difícil Passo Fedaia, onde se encontra o trecho notoriamente íngreme e reto da Malga Ciap.

“O Giro de 2022 foi pensado para dar aos competidores a oportunidade de lutar pela maglia rosa e pela classificação geral desde as primeiras etapas. Será uma das rotas mais difíceis dos últimos anos”, disse Vegni, que acredita que as etapas mais importantes da disputa serão as 16 e 20.

“Haverá muitas etapas difíceis, queríamos incluir no percurso uma seleção de montanhas que marcaram a história da nossa prova como a Santa Cristina – que será a Montagna Pantani – o Mortirolo, o Pordoi (Cima Coppi) e o Passo Fedaia”, completou.

LEIA MAIS
Giro d’Italia no Bikemagazine

CONFIRA VÍDEO DO PERCURSO