Novidades na ciclovia de São Paulo e homenagem a jornalista cicloativista

HomeEventos

Novidades na ciclovia de São Paulo e homenagem a jornalista cicloativista

A jornalista Erika Sallum, que morreu em agosto, foi homenageada com uma placa na ciclovia do Rio Piheiros durante evento

Homenagem a Erika Sallum

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

A jornalista, ciclista e cicloativista Erika Sallum, que morreu em agosto em decorrência de um câncer, foi homenageada neste sábado (18 de dezembro) com uma placa na ciclovia do Rio Pinheiros, agora denominada Ciclovia São Paulo, na capital paulista.

O evento contou com a presença do governador João Doria, que apresentou a primeira fase do novo sistema de sonorização da ciclovia e a terceira fase da iluminação da pista, que vai da estação Granja Julieta até a Estação Santo Amaro da CPTM.

“Árvore solar” para carregar celular e outros equipamentos

O sistema de sonorização conta com oito painéis audiovisuais em todo o trecho, sendo dois entre Miguel Yunes e Jaguaré e seis até a Ponte Estaiada. Além disso, o projeto conta com uma rádio totalmente voltada para o ciclismo, a BikeFM, que fará a programação musical e em breve terá um canal de podcast sobre o tema.

A terceira fase da iluminação da pista vai da estação Granja Julieta até a Estação Santo Amaro da CPTM. Nessa etapa, foram adicionados 178 pontos de iluminação inteligente, totalizando 4 quilômetros de extensão. A implantação do sistema de iluminação pública, além de trazer mais segurança aos ciclistas que frequentam o local, possibilitará a ampliação do horário de funcionamento da ciclovia para o período noturno.

Ao todo, foram instalados 568 pontos de iluminação LED, ao longo de 10 km de extensão nas duas fases, sendo parte do projeto dotada com a tecnologia de Smart Lighting, que permite o gerenciamento do sistema de forma remota. Com esta nova fase, serão 14 km de ciclovia com esta tecnologia.

Outra novidade para os ciclistas são duas árvores solares que foram instaladas próximas às entradas Jurubatuba e Cidade Universitária. Os equipamentos, que foram criados com um design semelhante a uma planta natural, por meio de filmes fotovoltaicos em suas “folhas”, capturam a energia solar e convertem em energia elétrica, podendo servir como fonte de carregamento via USB para celulares e tablets.