Milão-San Remo 2022 terá largada em velódromo histórico

HomeCiclismo

Milão-San Remo 2022 terá largada em velódromo histórico

Do Bikemagazine Fotos de divulgação A Milão-San Remo, a primeira clássica monumento do calendário, será dia 19 de março e confirmou um local i

No belo percurso da Milão – San Remo

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

A Milão-San Remo, a primeira clássica monumento do calendário, será dia 19 de março e confirmou um local inédito para sua largada, o histórico Velódromo Maspes Vigorelli, em Milão, que já recebeu o Giro d’Italia e o Giro di Lombardia, mas nunca o início da Classicissima.

 

O Vigorelli foi construído para ser o primeiro velódromo semi-coberto com arquibancadas para 15.000 espectadores e inaugurado em 1935, dedicado a Giuseppe Vigorelli, vereador e prefeito de Garbagnate – um ciclista promissor em sua juventude. A pista foi projetada pelo arquiteto húngaro Clemens Schuerman e, para cobri-la, o parquet da ciclovia romana usada para o Campeonato Mundial de 1932 é usado e desmontado peça por peça: 72 quilômetros de peças de pinheiro.

Quando a madeira chega a Milão, no entanto, percebe-se que a pista é muito grande e começam grandes obras de escavação para resolver o problema, que ganha inclinação recorde de 42 graus. O resultado foi bem elogiado por sua elipse perfeita, uma obra-prima técnica que valeu o nome de “pista mágica”, a mais rápida do mundo, perfeita para desafios como o Recorde da Hora (conquistado por muitos campeões, de Coppi a Moser) ainda que hoje, devido às suas medidas irregulares, não é mais adequado para competições internacionais.

Altimetria da Milão-San Remo 2022

No percurso de 293 quilômetros o Passo del Turchino está de volta depois de dois anos. O trajeto percorre a rota clássica que há mais de 110 anos conecta Milão com a Riviera ocidental através de Pavia, Ovada, o Passo del Turchino que leva a Genua Voltri antes de seguir para oeste, passando por Varazze, Savona, Albenga até Imperia e San Lorenzo al Mare onde, após a clássica sequência do Capi (Mele, Cervo e Berta), os atletas vão lidar com as duas subidas adicionadas nas últimas décadas: a Cipressa (1982) e o Poggio di Sanremo (1961). O Cipressa tem pouco mais de 5,6 km de extensão com uma inclinação de 4,1%. A descida altamente desafiadora leva de volta ao SS 1 Aurelia.

A subida do Poggio di Sanremo começa com 9 km restantes até o final (3,7 km, inclinação média inferior a 4%, máximo 8% no segmento antes de chegar ao topo da subida). A estrada é um pouco mais estreita, com 4 curvas fechadas nos primeiros 2 km. A descida é ensaiada, em estradas sinuosas de asfalto, estreitas em pontos e com curvas e voltas até ao entroncamento com a SS 1 Aurelia. A parte final da descida entra na cidade de Sanremo.

Os últimos 2 km são em estradas urbanas longas e retas. Há uma curva à esquerda em uma rotatória a 850 m da linha de chegada. A última curva, que leva à reta final na Via Roma, fica a 750 m da linha de chegada.

LEIA MAIS
Milão-San Remo no Bikemagazine