Milão-San Remo: Van der Poel confirmado na clássica deste sábado

HomeCiclismo

Milão-San Remo: Van der Poel confirmado na clássica deste sábado

Pelotão da primeira Monumento do calendário terá Pogacar, Wout van Aert, Filippo Ganna e Tom Pidcock

No belo percurso da clássica Milão-San Remo

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/LaPresse

A Milão-San Remo 2022, a primeira clássica Monumento do calendário, será disputada neste sábado (18 de março) com alguns desfalques no pelotão, mas com a confirmação em cima da hora do retorno de Mathieu Van der Poel (Alpecin Fenix) às competições depois de longas semanas de recuperação.

Estão confirmados os favoritos Tadej Pogacar (UAE Emirates) e Wout van Aert (Jumbo-Visma). A Ineos Grenadiers confirmou Filippo Ganna, Tom Pidcock, Elia Viviani e Michal Kwiatkowski.

O australiano Caleb Ewan é o mais recente de uma longa e crescente linha de desistências de grandes nomes na Milão-San Remo 2022. Ewan, que terminou em segundo a Milão-San Remo de 2018 e de 2021, teve um problema no estômago que ainda está em tratamento.

Na ausência de Ewan, Philippe Gilbert assumirá a liderança da Lotto Soudal naquela que é sua última participação na Milão-San Remo. A vitória completaria o conjunto das cinco Monumentos do ex-campeão mundial.

No percurso da clássica italiana

Pouco antes da desistência de Caleb Ewan ser confirmada, a Bora-Hansgrohe indicou que Sam Bennett também vai perder a corrida por estar doente.

Vale destacar que o vencedor da La Classicissima de 2021, Jasper Stuyven, não vai defender o título após ter ficado doente depois da Paris-Nice e, em seu lugar, entra o dinamarquês Mads Pedersen, que vai disputar a clássica pela primeira vez. O campeão mundial Julian Alaphilippe (QuickStep-AlphaVinyl), vencedor de 2019, também não vai estar no pelotão.

Van der Poel
O holandês Mathieu van der Poel, que está sem competir desde o início do ano em uma tentativa de se recuperar de uma longa lesão nas costas, foi confirmado na Alpecin Fenix nesta sexta-feira. Van der Poel aumentou seu treinamento nas últimas semanas – indicando que ele está sem dor e no caminho da recuperação.

“Devido aos vários ciclistas doentes e feridos na equipe, apenas seis permaneceriam na escalação. Como o retorno de Van der Poel já estava marcado para terça-feira na Settimana Internazionale Coppi e Bartali, foi decidido na quinta-feira o adicionar na lista da Milão-San Remo”, informa o comunicado à imprensa da equipe.

“O treinamento de Van der Poel nas últimas semanas foi satisfatório e seus problemas nas costas parecem estar desaparecendo gradualmente. No entanto, a direção da equipe não quer pressionar o tetracampeão mundial de ciclocross; ele participará sem expectativas ou ambições.”

“A corrida de 293 km foi preferida a uma sessão de treino no sábado para obter alguns quilômetros extras de corrida nas pernas. Depois da Milão-San Remo, Van der Poel ficará na Itália para a Settimana Internazionale Coppi e Bartali.”

Altimetria da Milão-San Remo 2022

Milão-San Remo 2022
A prova terá nesta temporada um local inédito para sua largada, o histórico Velódromo Maspes Vigorelli, em Milão, que já recebeu o Giro d’Italia e o Giro di Lombardia, mas nunca o início da Classicissima.

No percurso de 293 quilômetros o Passo del Turchino está de volta depois de dois anos. O trajeto percorre a rota clássica que há mais de 110 anos conecta Milão com a Riviera ocidental através de Pavia, Ovada, o Passo del Turchino que leva a Genua Voltri antes de seguir para oeste, passando por Varazze, Savona, Albenga até Imperia e San Lorenzo al Mare onde, após a clássica sequência do Capi (Mele, Cervo e Berta), os atletas vão lidar com as duas subidas adicionadas nas últimas décadas: a Cipressa (1982) e o Poggio di Sanremo (1961). Cipressa tem pouco mais de 5,6 km de extensão com uma inclinação de 4,1%. A descida altamente desafiadora leva de volta ao SS 1 Aurelia.

A subida do Poggio di Sanremo começa com 9 km restantes até o final (3,7 km, inclinação média inferior a 4%, máximo 8% no segmento antes de chegar ao topo da subida). A estrada é um pouco mais estreita, com 4 curvas fechadas nos primeiros 2 km. A descida é em estradas sinuosas de asfalto, estreitas em pontos e com curvas e voltas até ao entroncamento com a SS 1 Aurelia. A parte final da descida entra na cidade de San Remo.

Os últimos 2 km são em estradas urbanas longas e retas. Há uma curva à esquerda em uma rotatória a 850 m da linha de chegada. A última curva, que leva à reta final na Via Roma, fica a 750 m da linha de chegada.

LEIA MAIS
Milão-San Remo no Bikemagazine

Site oficial do evento