Tour 2022: Vingegaard vence 11ª etapa e é o novo camisa amarela

HomeCiclismo

Tour 2022: Vingegaard vence 11ª etapa e é o novo camisa amarela

Pogacar fica para trás na subida final e cai para o terceiro lugar, atrás de Romain Bardet, na dura etapa com chegada no Col du Granon

Jonas Vingegaard no caminho da vitória solo no Col du Granon

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/ASO

Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma) venceu nesta quarta-feira (13 de julho) a dura 11ª etapa do Tour de France, no alto do Col de Granon, e faturou a camisa amarela de líder da classifcação geral.

Vingegaard fez um grande ataque no final e deixou Pogacar para trás a 5 km do cume. Ultrapassou o líder solitário Nairo Quintana (Arkea Samsic) e cruzou a linha com 59 segundos de vantagem. Quintana foi o 2º e Romain Bardet (Team DSM) o 3º, a 1min10s.

Na etapa nos altos dos Alpes, acima da barreira dos 2 mil metros de altitude, o então líder Tadej Pogacar (UAE Emirates) perdeu ritmo e tempo e cruzou em 7º, a 2min51s, caindo para o 3º lugar na geral, a 2min22s, atrás de Romain Bardet, a 2min16s.

“É incrível, o que eu sonhava, vencer uma etapa no Tour de France, e também a camisa amarela. Tínhamos um plano desde o início do dia, queríamos tornar a corrida super difícil. Quando ataquei, senti que poderia dar certo. Pensei que, se não tentasse tudo, nunca ganharia. É claro que um segundo lugar é bom, mas já consegui no ano passado… Desta vez queria a vitória. E consegui, e agora tenho a camisa amarela para continuar lutando até Paris”, comemorou o dinamarquês Vingegaard, de 25 anos.

Pogacar na chegada da etapa

Pogacar, que desde 2020, quando venceu o Tour pela primeira vez, nunca deu sinal de fraqueza, fez questão de destacar que há muito pela frente. “Ainda não acabou. Ele tem três minutos hoje, talvez amanhã serei eu com três minutos. Vou lutar até o fim”, afirmou o vencedor do Tour em 2020 e em 2021. Sobre a etapa, disse: “Eu não sei o que aconteceu. No Galibier eu ainda estava tão bem. Eu recebi muitos ataques da Jumbo-Visma. Então, na última subida, eu simplesmente não tive pernas, eu sofri todo o caminho. Não foi o meu melhor dia. Vamos ver amanhã se consigo fazer melhor. Quero correr e dar tudo daqui até Paris. Quero terminar o Tour sem arrependimentos”, completou Pogacar.

A etapa começou com 161 ciclistas no pelotão. Wout van Aert (Jumbo-Visma) atacou e foi rapidamente acompanhado por Mathieu van der Poel (Alpecin-Deceuninck). Van Aert venceu o sprint intermediário em Aigubelle (km 16,5) e ampliou sua vantagem na classificação por pontos.

Mattia Cattaneo (Quick Step-Alpha Vinyl) os alcançou no km 29 antes de um contra-ataque formar um grupo líder de 20 ciclistas no km 31, com Christophe Laporte, Van Aert (Jumbo-Visma), Mikaël Chérel (AG2R-Citroën) , Nils Politt, Max Schachman (Bora-Hansgrohe), Andrea Bagioli, Cattaneo (Quick Step), Simon Geschke, Ion Izagirre (Cofidis), Kamil Gradek, Dylan Teuns (Bahrain Victorious), Van der Poel, Guillaume Van Keirsbulck (Alpecin- Deceuninck), Jonas Rutsch (EF), Warren Barguil (Arkéa-Samsic), Mads Pedersen, Tony Gallopin (Trek-Segafredo), Maciej Bodnar, Pierre Latour (TotalEnergies), Krists Neilands (Israel-Premier Tech).

Lacets de Montvernier no trajeto da 11ª etapa do Tour

Van der Poel, que acabaria por abandonar o Tour, ficou para trás na subida Lacets de Montvernier, onde Latour passou primeiro no topo na frente de Geschke e Barguil. Este último aumentou o ritmo a caminho de Col du Télégraphe. Sua ação reduziu o grupo da frente pela metade de seu tamanho original. Latour também conseguiu ser o primeiro no Télégraphe, mas foi Chérel quem partiu sozinho na subida ao Galibier com 63 km restantes.

No grupo da camisa amarela, Primoz Roglic acelerou na descida, seguido por Jonas Vingegaard, Christophe Laporte, Tadej Pogacar e Geraint Thomas. Na subida ao Galibier, Roglic, Pogacar e Vingegaard atacaram muitas vezes, um após o outro, enquanto Van Aert, Geschke, Latour e Barguil criaram um quarteto líder 9 km antes do cume mais alto do Tour de France 2022.

Barguil partiu sozinho com 7 km de escalada restantes. O francês chegou ao topo com uma vantagem de 40” sobre Geschke e 4’25” sobre Pogacar e Vingegaard.

Dezoito formaram o grupo de camisa amarela na parte inferior do Col du Granon 3’30’’ atrás de Barguil. A 10 km do final, Quintana acelerou enquanto Roglic não conseguiu manter o ritmo do grupo da camisa amarela. Quintana ultrapassou Barguil a 5 km do final, mas ele próprio foi ultrapassado por Vingegaard, que atacou.

O dinamarquês ultrapassou o colombiano e se esforçou para tirar o máximo proveito de seu esforço final, enquanto Romain Bardet, entre Quintana e Pogacar, deu tudo para subir para o segundo lugar na geral.

MELHORES MOMENTOS

TOP 3 DA ETAPA
1. Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma) 4h18’02’’
2. Nairo Quintana (Arkéa-Samsic) a 59”
3. Romain Bardet (Equipe DSM) a 1’10”

CLASSIFICAÇÃO GERAL
1. Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma) 41h29’59”
2. Romain Bardet (Team DSM) a 2’16”
3. Tadej Pogacar (UAE Emirates) a 2’22”

AS CAMISAS
Camisa amarela – líder da classificação geral – Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma)
Camisa verde – líder da classificação por pontos – Wout van Aert (Jumbo Visma)
Camisa de bolinhas – líder da classificação de montanha – Simon Geschke (Cofidis)
Camisa branca – líder da classificação de melhor jovem – Tadej Pogacar (UAE Emirates)

Resultados completos aqui

Próxima etapa
A 12ª etapa, neste 14 de julho, será outro dia épico nas montanhas, com 165,5 km entre Briançon e o Alpe d’Huez (13,8 km a 8,1 % de inclinação), que retorna ao Tour após quatro anos. No Dia do feriado da Bastilha, a etapa reproduz exatamente o percurso de 1986, com a subida do Galibier e do Col de la Croix de Fer antes de enfrentar os 21 tornantes que levam a Isère e à linha de chegada na famosa subida do Alpe d’Huez.

Alpe d’Huez está de volta ao Tour de France

AS ETAPAS
Etapa 1 – 1 de julho – Copenhagen – Copenhagen – 13,2 km
Etapa 2 – 2 de julho – Roskilde – Nyborg – 202,5 km
Etapa 3 – 3 de julho – Vejle – Sønberborg – 182 km

Dia de transferência para a França – 4 de julho

Etapa 4 – 5 de julho – Dunkerque – Calais – 171,5 km
Etapa 5 – 6 de julho – Lille  – Arenberg Porte du Hainaut – 154 km
Etapa 6 – 7 de julho – Binche – Longwy – 220 km
Etapa 7 – 8 de julho – Tomblaine – Super Planche des Belles Filles – 176,5 km
Etapa 8 – 9 de julho – Dôle – Lausanne – 186,5 km
Etapa 9 – 10 de julho – Aigle – Châtel les Portes du Soleil – 193 km

Dia de descanso – 11 de julho

Etapa 10 – 12 de julho – Morzine les Portes du Soleil – Megève – 148,5 km
Etapa 11 – 13 de julho – Albertville – Col du Granon – 152 km
Etapa 12 – 14 de julho – Briançon – Alpe d’Huez – 165,5 km
Etapa 13 – 15 de julho – Bourg d’Oisans – Saint-Étienne – 193 km
Etapa 14 – 16 de julho – Saint-Étienne – Mende – 192,5 km
Etapa 15 – 17 de julho – Rodez – Carcassonne – 202,5 km

Dia de descanso – 18 de julho

Etapa 16 – 19 de julho – Carcassonne – Foix – 178,5 km
Etapa 17 – 20 de julho – Saint-Gaudens – Peyragudes – 130 km
Etapa 18 – 21 de julho – Lourdes – Hautacam – 143,5 km
Etapa 19 – 22 de julho – Castelnau-Magnoac – Cahors – 188,5 km
Etapa 20 – 23 de julho – Lacapelle-Marival – Rocamadour – 40,7 km
Etapa 21 – 24 de julho – Paris la Défense Arena – Paris Champs-Élysées – 116 km

LEIA MAIS
Tour de France no Bikemagazine