Flückiger se defende e diz que nunca houve caso de doping

HomeCompetições

Flückiger se defende e diz que nunca houve caso de doping

Suíço fala pela primeira vez sobre a suspensão provisória e a reviravolta do seu caso e diz que espera que tudo esteja encerrado o mais breve possível

Flückiger na coletiva de imprensa nesta quinta-feira

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

“Eu só quero fazer o que mais gosto de fazer: mountain bike. Espero que meu caso seja encerrado o mais rápido possível”, disse o suíço Mathias Flückiger, 34 anos, medalha de prata nos Jogos de Tóquio, nesta quinta-feira, em sua primeira aparição pública desde que foi suspenso por testar positivo para o anabolizante zeranol durante o Campeonato Suíço de MTB, em junho de 2022 (relembre aqui).

“De um segundo para o outro, tudo se foi. Tudo o que eu, minha família e minha equipe construímos e conquistamos. Meu mundo desabou em 18 de agosto de 2022 em Munique. Passei de longe pelo pior momento da minha vida”, disse Flückiger na abertura da conferência de imprensa no Haus des Sports, em Ittigen, na Suíça.

Flückiger sempre alegou inocência e, junto com sua equipe de assessores, mostrou porque científica e legalmente nunca deveria ter havido um “caso de doping”. Sua suspensão já tinha sido revisada pela Câmara Disciplinar do Esporte da Suíça e ele voltou para a equipe Thömus Maxon Swiss Mountain Bike Racing no final do ano, após quatro meses.

“Tenho que contar minha história hoje e apresentar fatos importantes sobre o caso. Meu objetivo não é julgar ou condenar. Quero mostrar que meu caso virou um caso de doping que nunca deveria ter se tornado um”, afirmou o atleta.

Atleta com advogado e consultor durante a coletiva

Com seu advogado, Thilo Pachmann, e o consultor científico Matthias Kamber, o suíço recapitulou o caso cronologicamente, fundamentou com trechos de documentos e mostrou que após o laboratório informar a Swiss Sports Integrity (SSI) em 11 de julho de 2022 (cinco semanas após a amostra colhida no Campeonato Suíço) sobre um “achado atípico” de 0,3 ng de Zeranol, havia a indicação de que poderia se tratar de contaminação por meio de alimentos.

Ao invés de iniciar o procedimento apropriado imediatamente, conforme exigido pela Agência Mundial Antidopagem (Wada), a SSI passou cinco semanas pesquisando como interpretar esse resultado para, enfim, em 18 de agosto de 2022, emitir a suspensão provisória. Mas, segundo o advogado de Flückiger, para a Câmara Disciplinar esse procedimento foi um erro e por isso a suspensão provisória foi retirada, em 17 de dezembro de 2022.

Vale destacar que, cientificamente, o Zeranol não é conhecido por ser um produto dopante e é fundamentalmente diferente dos esteroides anabolizantes conhecidos usados nos círculos esportivos. Segundo o especialista Matthias Kamber, existem muitas causas possíveis de contaminação. Um “aviso às partes interessadas” foi introduzido pela Wada justamente para regular de forma clara e justa o tratamento da contaminação. Estudos mostram que a droga é usada na engorda de animais nos EUA (mas não na Suíça), onde Flückiger esteve no período anterior ao teste.

Flückiger afirmou que chegou a pensar em desistir. “Durante vários meses não sabia se algum dia voltaria ao esporte. As competições não estavam apenas distantes, elas eram inexistentes para mim. Durante esse tempo, eu vivia dia a dia. O momento contava. Não havia futuro, apenas o agora.”

Mas o caso ainda não foi definitivamente resolvido. Após o julgamento da Câmara Disciplinar, o resultado passa por uma segunda avaliação. Aparentemente, dada a baixíssima concentração de 0,3 ng, espera-se que o processo seja arquivado. A pouco mais de duas semanas para a Swiss Bike Cup, Flückiger está confiante sobre o veredicto, mas ainda há a incerteza de quanto tempo isso vai levar. “Espero muito que as instâncias competentes concluam meu caso o mais rápido possível. Só assim poderei finalmente tirar esse fardo constante, às vezes quase insuportável, de meus ombros.”

Flückiger voltou às corridas na etapa de Banyoles da Copa Catalana, no final de semana passado, com os 15 melhores do ranking mundial UCI na disputa. Terminou em 6º e estabeleceu o melhor tempo em 2 das 6 voltas.