Entrevista: Raphael Serpa, o melhor brasileiro do L’Étape du Tour 2023

HomeCompetiçõesCiclismo

Entrevista: Raphael Serpa, o melhor brasileiro do L’Étape du Tour 2023

Paulistano encerrou a etapa de 151km, com 4.100m de altimetria acumulada, na 63ª colocação, a 37min05s do vencedor, o melhor tempo entre todos os latino-americanos

Serpa no L’Étape na França

Do Bikemagazine
Fotos do arquivo pessoal do atleta

O paulistano Raphael Mancini Serpa foi o melhor dos 104 brasileiros que disputaram a 31ª edição da L’Étape du Tour de France. A corrida teve um total de 151km, com 4.100 metros de altimetria acumulada, com largada em Annemasse e chegada em Morzine. Serpa, de 37 anos, completou a prova em 5h09min10s (27,2km/) e terminou na 63ª colocação, a 37min05s do vencedor. O resultado garantiu a Serpa o melhor tempo entre todos os latino-americanos.

“Como primeira experiência em L’Étape nos Alpes, fiquei muito satisfeito com minha preparação. Eu já estava treinando, mas nos últimos dois meses (maio e junho) foquei bastante em montanha, com treinos em Campos do Jordão e Cunha”, diz o ciclista que tem tem o apoio da Infinite Bikes, Safetti, Z2 Foods, Madrugão Suplementos e Cannondale.

O campeão geral foi o francês Artus Jaladeau, de 23 anos, que cruzou a meta com o tempo de 4h31min28s. Entre as mulheres, a vitória foi da checa Martina Sáblíková com o tempo de 5h19min39s.

“Sei que os 30 primeiros eram todos europeus e ex-profissionais. Quero voltar ano que vem, pois já tenho a inscrição garantida”, contou Serpa, que venceu a última edição do L’Étape Rio de Janeiro, disputado no dia 25 de junho.

Resultados completos do L’Étape du Tour de France 2023

Saiba mais sobre o L’Étape du Tour de France em nossa reportagem

Carreira e conquistas
Formado em educação física e atualmente personal biker, Serpa está no ciclismo desde o ano 2000 e como profissional defendeu as equipes de São Caetano, Pindamonhagaba e Americana, esquadra que defendeu até 2015.

Nos tempos da Sub-23 passou uma temporada na Toscana, na Itália, pela equipe GS Mastromarco e foi companheiro de quarto do australiano Richie Porte e do italiano Damiano Caruso. Pela seleção brasileira, Serpa disputou o Campeonato Mundial de 2007, vencido por Paolo Bettini.

Vitória no Giro do Interior pela equipe de Americana (SP)

Em seu palmarés, Serpa tem conquistas importantes como vitória de etapa do Giro do Interior e do Torneio de Verão, duas vezes vice-campeão da 9 de Julho, duas vezes vice-campeão da Copa América, campeão de montanha  terceiro na geral do L’Étape Rio de Janeiro de 2022, além de outros importantes resultados em campeonatos brasileiros.

Para a disputa na França, Raphael Serpa pedalou uma Cannondale SuperSix com grupo Shimano Dura-Ace, com coroas 39×53 e cassete 11×30, rodas de carbono de perfil 45mm e freios a disco.

Serpa no percurso do L’Étape du Tour 2023

A prova
O percurso tinha cinco grandes montanhas para escalar, afinal, o L’Étape du Tour de France sempre é realizado no mesmo percurso de uma dura (e linda) etapa do Tour de France. Este ano o percurso escolhido pela organização foi o da 14ª do Tour de France, que teve como vencedor o espanhol Carlos Rodriguez (Ineos-Grenadiers), que cumpriu a distância em 3h58min45s, com chegada em Morzine. Diferente do Tour de France, a chegada do L’Étape du Tour de France foi no alto e a descida de 12km até Morzine foi neutralizada por motivos de segurança.

“Eu assisti ao vivo pela TV e só assim pude ver com detalhes como é lindo o lugar. Durante a corrida não dá para admirar a paisagem. Teve uma descida que cheguei a 100km/h”, conta. “Estava muito quente, fazia quase 40 graus, e como não conhecia o percurso e não tinha um apoiador para me dar abastecimento eu senti um pouco a falta de água e gel em alguns momentos”, lembra Serpa.

Além da grande distância e das cinco escaladas, Serpa teve um problema mecânico no câmbio dianteiro na segunda subida que o fez perder o primeiro pelotão. “Eu poderia ter parado no suporte neutro, mas resolvi tocar adiante só com a coroa pequena. E foi a melhor decisão, pois não teria dado para arrumar. A coroa menor fez falta. Se não fosse este incidente eu teria concluído em menos de 5 horas, talvez 4h50min. Devo ter perdido uns 15 minutos”, lembra Serpa, que na passagem pela montanha de categoria 3, no KM 20, era o 14º colocado geral.

“Sempre sonhei em ganhar a 9 de Julho. Ano passado fui quarto colocado na elite”, conta o ciclista que revela: “Está no meu radar a disputa do campeonato brasileiro de estrada na elite do ano que vem”.

 

RAPHAEL SERPA NAS REDES

https://www.strava.com/athletes/62715390

https://www.facebook.com/raphaelmanciniserpa.mancini

https://www.instagram.com/raphael_serpa/