Froome: sonho de vencer um 5º Tour de France ainda está vivo

HomeCompetiçõesCiclismo

Froome: sonho de vencer um 5º Tour de France ainda está vivo

Confira entrevista com o tetracampeão do Tour de France, que após queda grave em 2019 enfrentou um longo período de recuperação

Froome no Tour Down Under 2023, na Austrália

Do Flashscore
Fotos de divulgação

Um dos maiores ciclistas de todos os tempos, Chris Froome revelou em entrevista exclusiva ao Flashscore que, apesar de sua grave lesão, ele ainda quer voar alto. O britânico nascido no Quênia é tetracampeão do Tour de France e já venceu também o Giro d’Italia (2017) e duas vezes a Volta da Espanha (2011 e 2017).

Poucos dominaram o ciclismo tanto quanto ele de 2013 a 2017. No entanto, sua hegemonia foi interrompida por um grave acidente em 2019, do qual ele ainda vem trabalhando para se recuperar totalmente.

Em Praga, onde está participando do Tour da República Tcheca, o atleta de 38 anos falou no dia 27 de julho sobre sua recuperação e seu amor pelo esporte.

Confira matéria completa no Flashcore

ENTREVISTA
Flashscore: O que passa pela sua cabeça durante a corrida, quando você está na pista, sozinho, por tantas horas?

Chris Froome: Há muita coisa acontecendo na corrida! Quero dizer, há muitas partes em movimento, especialmente quando você é o líder de uma equipe e está pensando em como usar melhor as pessoas ao seu redor. No Tour de France que ganhei, é quase como se você estivesse constantemente pensando em na nossa própria gestão, na nutrição, nas estratégias, em seus adversários; você está pensando em como realmente vencer a corrida.

Mas também você pensa em todos os seus companheiros de equipe, em como utilizá-los da melhor forma possível e em como motivá-los, em como tirar o melhor deles para fazer as coisas bem. É sempre um ambiente muito dinâmico, que muda muito rapidamente, com qualquer acaso que possa surgir ao longo do caminho: o clima que pode mudar ou movimentos surpresa de seus rivais também. Então, definitivamente, quando você está correndo, não tem tempo para ficar entediado, isso é certo. Há muita coisa acontecendo e, no final do dia, você sempre tem alguém em seu ouvido. Então, as comunicações também voltam para o carro. Portanto, há muita coisa acontecendo quando estamos nas montanhas.

Em 2019, você sofreu uma lesão grave quando bateu sua bicicleta em um muro. Foi muito difícil para voltar a pedalar?

Seu corpo e os ossos precisam se recuperar. Você não pode fazer nada para acelerar a recuperação dos ossos. É preciso só ser paciente. Portanto, acho que foi bastante frustrante como atleta, porque eu queria treinar mais, queria fazer mais, mas dificilmente poderia fazer mais em termos de voltar a um nível competitivo novamente. O corpo só precisava de tempo para se recuperar.

Froome no Tour de France de 2022

No ano passado, você terminou em 3º lugar em uma das etapas do Tour de France. Você provou a si mesmo que ainda é capaz de obter um grande resultado?

Acho que o ano passado foi definitivamente um grande passo para mim, chegando ao Tour de France e terminando em terceiro lugar provavelmente na etapa rainha da corrida, terminando em Alpe d’Huez. Foi um grande impulso para minha confiança e, basicamente, para me mostrar que eu estava no caminho certo para voltar a um bom nível de corrida.

Infelizmente, a preparação para o Tour de France deste ano não foi boa?

Sim, acho que não tive a mesma progressão. Mas, mesmo assim, estou feliz por estar aqui correndo e feliz por fazer o que amo, que é correr com minha bicicleta e tudo o que vem com ela. Portanto, apesar de não ter corrido no Tour este ano, ainda estou feliz por estar aqui correndo e estou animado para a próxima temporada.

A propósito, com que antecedência você soube que sua equipe não o indicou para o Tour de France deste ano?

Só fiquei sabendo na semana anterior.

Isso deve ter sido difícil de processar, não?

Sim, foi difícil. Eu achava que estava preparado. Sentia que tinha trabalhado muito. Então, sim, foi uma grande decepção para mim. Mas a vida é assim, o esporte é assim. E acho que, como atleta, você só precisa seguir em frente e voltar a se concentrar em outra coisa e continuar trabalhando na direção certa.

O que diz sobre o vencedor dos últimos dois anos do Tour de France, Jonas Vingegaard. Ele pode igualar os quatro títulos que você tem?

Se ele continuar como neste ano, não vejo nada que o impeça. Este ano ele não deu um passo em falso em toda a corrida. Portanto, estou muito impressionado com ele. Acho que a coisa mais impressionante, quero dizer, o que ele fez nas montanhas foi incrível, mas acho que o que ele fez no contrarrelógio foi simplesmente espetacular. Vencer outros puros contrarrelógio e caras que são realmente fortes em contrarrelógio, como Van Aert, por minuto, foi um ótimo desempenho.

Você venceu seu primeiro Tour de France há dez anos. Como o ciclismo mudou desde então?

Acho que o ciclismo se tornou muito mais orientado por dados, muito mais calculado. Acho que o nível de… a forma de treinamento também se tornou muito mais estruturada. Acho que, em geral, o nível é mais alto. Mas não tenho tanta certeza sobre o nível no topo, se esse nível subiu ou se o nível geral do esporte subiu, ou seja, se há mais pessoas capazes de ir mais longe na corrida.

Pelotão do líder Froome passa pelo Grand Palais na chegada do Tour de France de 2017

Tanto Pogacar quanto Vingegaard, que agora são considerados os melhores ciclistas, começaram a ter sucesso muito jovens. É uma mudança o fato de os ciclistas amadurecerem mais cedo?

Acho que isso se deve em grande parte à quantidade de dados disponíveis. Acho que nos anos em que eu estava ganhando, 2013, 14, 15, muitos desses dados foram compartilhados com técnicos e treinadores que trabalham com a geração mais jovem. Acho que isso permitiu que os ciclistas de 15, 16 anos de idade estivessem treinando quase como um vencedor do Tour de France. E é por isso que agora estamos vendo caras se tornando profissionais com 19, 20 anos de idade, e eles já têm a base e a capacidade de vencer um Tour de France aos 20 anos. Eu considero que, quando me tornei profissional aos 24 anos, precisei de quatro ou cinco anos para ter essa estrutura para ser bem-sucedido. Acho que os rapazes estão recebendo essa estrutura muito mais cedo agora, aos 15, 16 anos de idade. Assim, quando chegam aos 20 e poucos anos, já estão prontos.

Você tenta ser uma referência, ou mesmo um mentor para seus jovens companheiros de equipe?

Espero que sim, especialmente em todos os treinamentos que fazemos com os mais jovens, espero poder agregar valor nesse sentido para a equipe, tendo estado lá, tendo vencido as maiores corridas do mundo, para poder compartilhar o que aprendi e os erros que cometi ao longo do caminho. Mas, sim, a maioria dos jovens da nossa equipe é muito, muito inteligente e parece já ter muitas das respostas. Portanto, posso ajudar no que for possível. E, sim, quanto ao resto, acho que eles têm de experimentar por si mesmos.

Você sempre disse que sonha em vencer o Tour de France pela quinta vez. Esse sonho ainda está vivo?

Ele ainda existe para mim, em algum lugar no fundo da minha mente. Quero dizer, é realista. Sei que será extremamente difícil realizá-lo contra os jovens da geração atual. Mas, sim,o sonho está sempre presente para mim e eu nunca, até me aposentar, isso é o que ainda estará lá, acendendo uma chama para mim.

Última pergunta, não sei se é uma pergunta difícil ou fácil para você: o que você mais gosta no ciclismo?

O que eu mais gosto no ciclismo? É a sensação de liberdade. Não há nada igual. Para mim, quando andamos de bicicleta, estamos na natureza, no meio do nada, e temos uma sensação de abertura que é terapêutica. E é isso que sempre me levará de volta ao ciclismo. Acho que, mesmo depois de minha carreira, é isso que sempre me manterá no ciclismo.