Tadej Pogačar lidera a lista de maior salário do pelotão com 6 milhões de euros

HomeCiclismoDestaque

Tadej Pogačar lidera a lista de maior salário do pelotão com 6 milhões de euros

De acordo com o jornal italiano La Gazzetta dello Sport o esloveno é o ciclista mais bem pago do pelotão WorldTour, à frente de Primož Roglič e Jonas Vingegaard

Pogacar e equipe no reconhecimento do percurso do Tour de Flanders 2023

Do Bikemagazine
Foto de divulgação

O ciclista esloveno Tadej Pogačar continua sendo o ciclista mais bem pago do WorldTour masculino, de acordo com uma reportagem publicado no jornal italiano La Gazzetta dello Sport. De acordo com o diário esportivo, o salário anual de Pogacar é estimado em 6 milhões de euros (R$ 32 milhões ao câmbio de 17 de janeiro).

Além do salário da equipe Team Emirates, Pogačar tem contratos de patrocínio com as sapatilhas DMT, capacetes MET, Enervit, água mineral Jana, empresa norte-americana de tecnologia doméstica Plume e o Conselho de Turismo Esloveno.

Depois de vencer o Tour de Flandres, Il Lombardia, Paris-Nice, Amstel Gold Race e Flèche Wallonne em 2023, Pogačar terá como alvo o Giro d’Italia e o Tour de France nesta temporada antes de competir nas Olimpíadas de Paris e no Campeonato Mundial em Zurique.

Na sequência da lista do La Gazzetta aparece seu compatriota Primož Roglič e o dinamarquês Jonas Vingegaard, campeão do Tour de France de 2023. Roglič, que trocou a equipe holandesa Jumbo-Visma pela alemã Bora-Hansgrohe, tem um salário declarado de 4,5 milhões de euros por ano, enquanto que Vingegaard recebe um salário estimado em 4 milhões de euros anuais segundo a Gazzetta.

O campeão mundial Mathieu van der Poel é o próximo na lista do La Gazzetta, com 4 milhões de euros por ano. Já seu rival Wout van Aert ganha cerca de 3,5 milhões de euros.

O campeão mundial Mathieu Van der Poel (centro) é o terceiro mais bem pago com 4 milhões/ano

Na sexta colocação de maiores salários do pelotão aparece Remco Evenepoel, com um salário estimado em 2,8 milhões de euros por temporada, à frente de Tom Pidcock e Adam Yates, cujos ganhos são ambos estimados em 2,7 milhões de euros anuais. A lista tem ainda dois atletas da Ineos, Egan Bernal e Carlos Rodriguez (2,5 milhões de euros cada).

De acordo com o jornal italiano, as estimativas referem-se apenas aos salários, sem os ganhos adicionais vindos de patrocínios, publicidades e cachês de participação.