Mundial de Paraciclismo de Pista: Grã-Bretanha conquista 27 medalhas

HomeCompetições

Mundial de Paraciclismo de Pista: Grã-Bretanha conquista 27 medalhas

Modalidade vê renovação e jovens atletas se estabelecem como favoritos em Paris; britânicos dominaram quadro de medalhas com grande vantagem, seguidos por China e França

Ciclistas britânicas comemoram vitória no Rio – Foto de Miriam Jeske

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação Miriam Jeske

O Mundial de Paraciclismo de Pista 2024 chegou ao fim neste domingo (24 de março), no Velódromo do Rio e a Grâ-Bretanha foi a grande vencedora com um total de 27 medalhas, sendo 12 de ouro, 13 de prata e duas de bronze. O Brasil terminou na 11ª colocação, com duas medalhas de prata.

A edição teve seis recordes mundiais batidos e consolidou uma renovação da modalidade, com atletas muito jovens gabaritando suas categorias e se estabelecendo como as novas referências de suas classes. É o caso do francês Alexandre Léauté, na Classe C2 masculina, e de Xiaomei Wang, na C3 feminina. O neozelandês Devon Briggs, de apenas 20, é ainda o dono de dois novos recordes mundiais na C3 masculina.

No último dia de disputas (24 de março), o chinês Weicong Liang protagonizou um momento de grande superação e resiliência na pista do Velódromo do Rio. ]Ele sofreu uma queda e perdeu algumas voltas no Scratch da Classe C1 mas, ao invés de desistir, decidiu voltar à pista. Voou tanto que conseguiu o que parecia impossível: recuperar o tempo perdido e ganhar não só um, mas dois títulos mundiais (Scratch e Omnium). Antes disso, ele já tinha conquistado duas pratas, na perseguição individual e no contrarrelógio, e também chegou em segundo na Flying Start. As três provas foram vencidas por seu compatriota, Zhangyu Li. O espanhol Ricardo Ten Argiles, prata no Scratch, ficou com o bronze da Omnium.

A Classe C2 masculina, por sua vez, tem um novo campeão de tudo. O francês Alexandre Léauté venceu as últimas duas provas que disputou neste domingo e gabaritou a categoria. Na quarta-feira, ele já havia arrebatado o ouro da perseguição individual. Na quinta, cruzou em primeiro lugar a linha de chegada na Flying Start (Omnium). No sábado, além de vencer a prova, quebrou o próprio recorde mundial no contrarrelógio.

Neste último dia, ele fechou sua participação com chave de ouro e venceu o único título mundial que havia lhe escapado no ano passado, o da Scratch, com autoridade. Léauté disparou na liderança assim que a disputa começou e, na metade, perdeu algumas posições e a disputa pareceu acirrada, especialmente contra os ingleses Matthew Robertson e Ryan Taylor. Mas o francês contou com o auxílio do companheiro de equipe Florian Chapeau para segurar a concorrência, recuperar seu posto, alcançar o pelotão por trás e interromper a prova.

“Usamos uma grande estratégia, eu e Florian [Chapeau]: um inglês para cada francês, e eu decidi começar na frente porque tenho a perna boa. Hoje foi muito bom para mim, conquistei muitos títulos e meu objetivo foi concretizado. Foram muitas corridas vencidas. Temos um bom treinador, uma boa estratégia de treino, e isso é ótimo para mim. Esse resultado não é só meu, mas de toda a equipe. Quanto aos Jogos Paralímpicos no meu país, não me sinto pressionado. Temos muitos pontos fortes na equipe e eu ganhei muitas corridas só pelo prazer de pedalar, e é isso também que quero dos Jogos: me divertir”, disse.

Outra a gabaritar sua classe foi a britânica Elizabeth Jordan, que, junto à pilota Danielle Khan, conquistou neste domingo o último ouro da Tandem feminina no Sprint. Elas já haviam vencido o contrarrelógio na quinta-feira e a perseguição individual no sábado. Jordan chegou ao Rio com uma medalha de prata na perseguição no Mundial de 2022, um ouro no sprint por equipes e um bronze no contrarrelógio em 2023. Agora, é a nova campeã mundial de todas as provas individuais da categoria, justo na estreia de uma nova dupla.

“Eu não esperava por esses resultados. Eu e Dani estamos começando uma nova parceria e tudo é muito animador nesse começo de uma nova jornada juntas, mas eu não imaginava que teríamos tanto sucesso já na nossa estreia. Tem sido muito emocionante”, comemorou.

A Grã-Bretanha dominou a Tandem em ambos os naipes. Esta categoria tem grande parcela de responsabilidade no quadro de medalhas final, que teve os britânicos no topo com ampla vantagem. Lizzie, como é conhecida, vê o alto nível de competição nos treinos como um fator determinante para os resultados da equipe. Mesmo sendo grande favorita, ela planeja um passo de cada vez até chegar a Paris.

“Nós amamos nossos atletas Tandem e torcemos uns pelos outros. É maravilhoso ter os melhores do mundo como colegas de equipe porque, nos treinamentos, podemos incentivar uns aos outros, competir uns com os outros e isso nos estimula a sermos os melhores do mundo. Sobre Paris, bem, temos que conquistar a vaga primeiro (risos). Mas tudo é muito emocionante e espero que tenhamos um ano de muito sucesso juntas”, projetou.

A Grã-Bretanha de Lizzie e Danielle terminou o Mundial com 27 medalhas (12 ouros, 13 pratas e 2 bronzes). Na sequência, vêm China com 16 (12 ouros, 3 pratas e 1 bronzes), França com 17 (10 ouros, 5 pratas e 2 bronzes), Austrália com 12 (4 ouros, 3 pratas e 5 bronzes) e Holanda com 6 (2 ouros, 1 prata e 3 bronzes). O Brasil ficou em 11º com duas pratas (Sabrina Custódia da Silva no contrarrelógio da C2 feminina e Lauro Chaman na perseguição individual da C5 masculina). A União Ciclística Internacional (UCI) considera o número de ouros, e não o de medalhas totais, como o padrão para estabelecer o ranking.

Além das 16 disputas decididas no domingo, a UCI promoveu, pela primeira vez, cinco provas de eliminação. A disputa ocorreu em caráter amistoso, como disciplina de exibição, e distribuiu medalhas, mas elas não integram o quadro oficial. Os atletas foram divididos em: classes C4-C5 femininas, classes C1-C3 femininas, classes C1-C2 masculinas, classes C3-C4 masculinas e classe C5 masculina. Nesta última, Chaman ficou em segundo.

Disputas do quinto dia – 24 de março:

Classes C1-C5 mistas* – Sprint por equipes (750 m)
*MC1-5 – classes masculinas; WC1-5 – classes femininas

Medalhistas:
Ouro – China: Zhangyu Li (MC1), Guoqing Wu (MC4) e Shanzhang Lai (MC5)
Prata – Grã-Bretanha: Kadeena Cox (WC4), Jaco Van Gass (MC3) e Jody Cundy (MC4)
Bronze – Austrália: Gordon Allan (MC2), Michael Shippley (MC4) e Korey Boddington (MC4)
Brasil: 16º – Sabrina Custódia da Silva (WC2), Ricardo Alafim de Freitas (MC5) e Elielson Rodrigues (MC4)

Classe C5 feminina – Scratch (10 km)
Medalhistas: Marie Patouillet (FRA), Claudia Cretti (ITA) e Nicole Murray (NZL)

Classes C1-C2 feminina – Scratch (10 km)
Medalhistas: Amanda Reid (AUS), Flurina Rigling (SUI) e Cristelle Ribault (FRA)
Brasileiras: Sabrina Custódia da Silva (7º)

Classe C2 masculina – Scratch (15 km)
Medalhistas: Alexandre Léauté (FRA), Shota Kawamoto (JPN) e Ewoud Vromant (BEL)
Brasileiros: Victor Luise de Oliveira Herling (13º)

Classe C1 feminina – Omnium
Medalhistas: Wangwei Qian (CHN) e Katie Toft (GBR)

Classe C2 feminina – Omnium
Medalhistas: Flurina Rigling (SUI), Daphne Schraeger (GBR) e Daniela Carolina Munevar Florez (COL)
Brasileiras: Sabrina Custódia da Silva (4º) e Victoria Maria de Camargo e Barbosa (7º)

Classe C5 feminina – Omnium
Medalhistas: Marie Patouillet (FRA), Nicole Murray (NZL) e Claudia Cretti (ITA)
Brasileiras: Fabiana Ventura de Assis (10º) e Telma Aparecida Alves Bueno (12º)

Tandem feminina – Sprint
Medalhistas: Grã-Bretanha (Elizabeth Jordan/Dannielle Khan), Grã-Bretanha (Sophie Unwin/Jenny Holl) e Austrália (Jessica Gallagher/Caitlin Ward)
Brasileiras: Bianca Canovas Garcia/Nicolle Wendy Borges (10º)

Tandem masculina – Sprint
Medalhistas: Grã-Bretanha (Neil Fachie/Matthew Rotherham), França (Raphaël Beaugillet/Quentin Caleyron) e Grã-Bretanha (James Ball/Steffan Lloyd)
Brasileiros: Luciano da Rosa/Daniel Henrique Gruer de Brito (16º) e Bruno Bonfim dos Anjos/José Eriberto Medeiros Rodrigues Filho (19º)

Classe C1 masculina – Scratch (15 km)
Medalhistas: Weicong Liang (CHN), Ricardo Ten Argiles (ESP) e Pierre Senska (GER)

Classe C3 masculina – Scratch (15 km)
Medalhistas: Jaco Van Gass (GBR), Alexandre Hayward (CAN) e Masaki Fujita (JPN)
Brasileiros: Eduardo Carvalho Hipólito de Araújo (13º)

Classe C5 masculina – Scratch (15 km)
Medalhistas: Dorian Foulon (FRA), Franz-Josef Lässer (AUT) e Alistair Donohoe (AUS)
Brasileiros: Lauro Chaman (6º)

Classe C1 masculina – Omnium
Medalhistas: Weicong Liang (CHN), Zhangyu Li (CHN) e Ricardo Ten Argiles (ESP)
Brasileiros: Carlos Alberto Gomes Soares (8º)

Classe C2 masculina – Omnium
Medalhistas: Alexandre Léauté (FRA), Shota Kawamoto (JPN) e Matthew Robertson (GBR)
Brasileiros: Victor Luise de Oliveira Herling (10º)

Classe C3 masculina – Omnium
Medalhistas: Jaco Van Gass (GBR), Devon Briggs (NZL) e Finlay Graham (GBR)
Brasileiros: Eduardo Carvalho Hipólito de Araújo (13º)

Classe C5 masculina – Omnium
Medalhistas: Dorian Foulon (FRA), Franz-Josef Lässer (AUT) e Blaine Hunt (GBR)
Brasileiros: Lauro Chaman (5º) e Pablo Henrick Voigt Santos (17º)

Resultados completos no site oficial 2024uciparatrack.com