Giro d’Italia 2024: confira etapa a etapa e altimetrias

HomeCompetições

Giro d’Italia 2024: confira etapa a etapa e altimetrias

Prova terá seis chegadas ao alto, dois contrarrelógios individuais e termina em Roma com uma prova em circuito no centro histórico


Do Bikemagazine
Fotos de divulgação

O Giro d’Italia 2024, de 4 a 26 de maio, terá seis etapas para velocistas, duas etapas de contrarrelógio (de 40,6km e 31,2km) e seis etapas com chegada ao alto no trajeto de 3.400,8 quilômetros, passando pelos Alpes, Apeninos e Dolomitas.

A corrida começa em Torino, no sábado, 4 de maio, e termina em Roma com uma etapa em torno do Coliseo no domingo, 26 de maio.

Veja como acompanhar ao vivo todas as etapas do Giro d’Italia no Brasil.

ETAPAS

Primeira semana
Etapa 1 – 4 de maio – Venaria Reale – Torino – 140 km
Etapa 2 – 5 de maio – San Francesco al Campo – Santuário di Oropa (Biella) – 161 km
Etapa 3 – 6 de maio – Novara – Fossano – 166 km
Etapa 4 – 7 de maio – Acqui Terme – Andora – 190km
Etapa 5 – 8 de maio – Gênova – Lucca – 178 km
Etapa 6 – 9 de maio – Torre del Lago Puccini – Rapolano Terme – 180 km
Etapa 7 – 10 de maio – Foligno – Perugia – 40,6 km (ITT)
Etapa 8 – 11 de maio – Spoleto – Prati di Tivo – 152 km
Etapa 9 – 12 de maio – Avezzano – Nápoles – 214 km

Etapa de abertura em Torino, com o Colle Maddalena no final

Torino recebe a abertura da 107ª edição do Giro com uma etapa de 140km com largada em Venaria Reale. O trajeto homenageia o percurso da Milão-Torino do passado, com as subidas ao Superga e ao Colle Maddalena (6km a 7,4%), este último a 30 quilômetros da meta. Na época em que a Milão-Torino era uma corrida para escaladores, a Superga era a subida principal da disputa, com a Basílica no topo da colina em Torino proporcionando um cenário icônico para a clássica.

Os últimos 5km da etapa contam com uma subida curta e íngreme até San Vito (1,4 km com desnível médio de 9,8% e máximo de 16%), que termina faltando 3 km. A descida rápida leva a cerca de 600m da chegada, plana.

A 2ª etapa vai ao topo do Santuário di Oropa

No segundo dia de disputa, no domingo (5 de maio), a 2ª etapa tem 161km de San Francesco al Campo ao topo do Santuário di Oropa (Biella), nos Alpes, com a primeira chegada ao alto do Giro 2024. A etapa “Montagna Pantani” tem duas subidas de categoria 3 nos últimos 40 quilômetros do dia antes do Santuário, a 1.142 metros de altitude. Os últimos 11 km são de subida, a primeira parte é suave até Favaro, onde estão as rampas mais inclinadas, com cerca de 13%. A subida continua com curvas e declives de cerca de 9% até a meta.

A subida ao Santuário di Oropa está indiscutivelmente ligada a Marco Pantani, ainda mais este ano, quando é celebrado o 25º aniversário de uma de suas vitórias mais celebradas. Depois de um problema mecânico, o Pirata conseguiu se recuperar até deixar todos para trás e seguir sozinho para vencer a 15ª etapa do Giro de 1999. Na chegada, não comemorou, pois disse que não sabia se tinha vencido e não queria fazer papel de bobo.

No total, a Corsa Rosa cruzou a linha de chegada no Oropa seis vezes; a primeira em 1963 e a mais recente em 2017.

A 3ª etapa é a primeira oportunidade para os velocistas

A 3ª etapa, na segunda-feira, 6 de maio, terá 166km de Novara a Fossano, e será a primeira oportunidade para os velocistas. Trajeto plano, com algumas pequenas subidas e descidas na parte central, com os últimos 3km praticamente retos, faltando apenas uma curva acentuada de 1.300m.

A 4ª etapa tem o Capo Mele, da Milão-San Remo, antes da chegada

A 4ª etapa, na terça-feira, 7 de maio, vai de Acqui Terme a Andora, em um trajeto de 190km. Mais um dia bastante plano; os únicos obstáculos são a subida ao Col di Melogno (8 km a cerca de 5%) no meio do trajeto e o Capo Mele no final, que é abordado pelo mesmo lado da Milão-San Remo, na conhecida rota da La Classicissima. Os últimos 3km são em descida, após passar o Capo Mele.

Montemagno, de categoria 4, é o desafio do fim da 5ª etapa

A 5ª etapa, na quarta-feira, 8 de maio, tem 178km em um belo trajeto entre Gênova e Lucca. O pelotão percorre o litoral pela Via Aurelia nos primeiros 50km. A etapa tem apenas duas subidas, a primeira é o Passo del Bracco (categoria 3), após 62 km de corrida, e a segunda é Montemagno (categoria 4), com o topo a pouco menos de 20 km da linha de chegada.

A 6ª etapa será uma etapa com trechos ao estilo Strade Bianche

Na quinta-feira, 9 de maio, a 6ª etapa tem 180km entre Torre del Lago Puccini (Viareggio) e Rapolano Terme. Esta é a etapa “Strade Bianche” do Giro, com passagem por três setores de estrada de terra que totalizam quase 12 km. Os dois primeiros são partilhados com a Strade Bianche, mas o terceiro é novo.

O primeiro setor conhecido é o de Vidritta, mas, em comparação com a Strade Bianche, está 2km mais longo. Depois vem o setor Bagnaia, com desníveis de até 15% e que também dará o segundo KOM do dia. Antes de Asciano, o terceiro setor é a novidade, em Pievina. Nos últimos 5km da etapa ainda tem a subida da Serre di Rapolano.

A 7ª etapa tem a primeira crono individual do Giro 2024

Na 7ª etapa, na sexta-feira (10 de maio), será disputado o primeiro contrarrelógio individual, com 40,6km, de Foligno a Perugia. O trajeto é dividido em duas partes: os primeiros 32 km, são planos e em grande parte não técnicos até a chegada da subida de Casaglia, com aclives de até 16%.

Os últimos quilômetros são para cima, com declives que atingem os dois dígitos. Destacam-se a 6,4 km da meta os 1.300 m de Casaglia a quase 12%, com picos de 16%. A reta final de 250 metros é em paralelepípedos.

A 8ª etapa leva o pelotão nas alturas dos Apeninos

No sábado, 11 de maio, a 8ª etapa tem 152km entre Spoleto e Prati di Tivo, nos Apeninos. Uma etapa curta e intensa, com muita altimetria. Logo após a largada, o pelotão sobe Forca di Cerro e Forca Capistrello, que tem mais de 16 km de extensão. O trajeto passa pelo maciço de Terminillo para chegar a Capitignano, com subidas e descidas contínuas até a encosta oeste do Passo de Capannelle. A subida termina a uma curta distância do Passo Croce Abbio, onde começa uma descida de 30 km.

A subida final a Prati di Tivo acrescenta 14,5 km a 7%, com picos de até 12%, ao duro percurso. São 22 curvas fechadas com desníveis mais acentuados na primeira parte e os últimos três quilômetros a 7%.

Primeira semana do Giro 2024 termina em Nápoles

A primeira semana do Giro termina no domingo, 12 de maio, com a 9ª etapa, com 214 km entre Avezzano e Nápoles. Uma etapa com os primeiros 180 km por estradas rápidas, em sua maioria retas, intercaladas com vários túneis.

Depois de passar pela costa do Tirreno, o trajeto chega ao Monte di Procida, com desafiantes últimos quilômetros. Após passar por Torregaveta, há uma descida repentina de 14% que leva ao Lago Lucrino, de onde o percurso segue em direção a Pozzuoli. A chegada é depois de uma longa descida na Via Petrarca até ao centro da cidade.

Segunda semana
Etapa 10 – 14 de maio – Pompeia – Cusano Mutri – 142km
Etapa 11 – 15 de maio – Foiano di Val Fortore – Francavilla al Mare – 207km
Etapa 12 – 16 de maio – Martinsicuro – Fano – 193km
Etapa 13 – 17 de maio – Riccione – Cento – 179km
Etapa 14 – 18 de maio – Castiglione delle Stiviere – Desenzano del Garda – 31,2km (ITT)
Etapa 15 – 19 de maio – Manerba del Garda – Livigno – 222km

A 10ª etapa tem uma longa subida final

Após o primeiro dia de descanso, o pelotão retorna na terça-feira, 14 de maio, para a 10ª etapa, com 142km entre Pompeia e Cusano Mutri, com a primeira parte na região do Vesúvio. Ao chegar à Via Appia, o pelotão vai subir até Montesarchio. Com o Camposauro, de categoria 2, no meio do caminho, o percurso com inúmeras curvas segue até Cerreto Sannita, depois de passar o túnel iluminado que leva ao vale do Titerno. A longa subida final tem 18 km e começa em 5,6%.

A 11ª etapa será mais uma oportunidade para velocistas

Na quarta-feira, 15 de maio, a 11ª etapa tem 207k km, entre Foiano di Val Fortore e Francavilla al Mare. A primeira parte da etapa atravessa os Apeninos até Termoli e a segunda é plana ao longo da estrada costeira Adriática, que segue até Francavilla al Mare. Mais uma oportunidade para os velocistas e pela disputa da classificação por pontos.

A 12ª etapa tem subida inédita ao Monte Giove a 9km da meta

A 12ª etapa, na quinta-feira, 16 de maio, tem 193 km entre Martinsicuro e Fano. Etapa plana nos primeiros 50 km ao longo do Adriático, passando por Civitanova Marche. O pelotão se afasta do mar para enfrentar um percurso de subidas e descidas contínuas, dez delas categorizadas e quatro classificadas como GPM. A última subida é inédita e vai ao topo do Monte Giove, que fica a 9 km da linha de chegada e tem desníveis superiores a 10%. O último km pode ser bastante complexo em torno do centro histórico de Fano ao longo das suas muralhas.

A 13ª etapa, na na Emilia-Romagna, é plana

A 13ª etapa, na sexta-feira, 17 de maio, com 179 km entre Riccione e Cento, na Emilia-Romagna, é totalmente plana e deve movimentar as equipes dos velocistas.

A 14ª etapa será o segundo contrarrelógio, com 31,2km

Na 14ª etapa, no sábado, 18 de maio, será a vez da segunda disputa de contrarrelógio individual do Giro 2024. O percurso tem 31,2km entre Castiglione delle Stiviere e Desenzano del Garda, às margens do Lago di Garda, com trajeto praticamente plano.

A 15ª etapa tem 5.400m de elevação acumulada no percurso de 222km

No domingo, 19 de maio, a 15ª etapa encerra a segunda semana com uma etapa de alta montanha, com 5.400m de elevação acumulada no percurso de 222km entre Manerba del Garda e Livigno e chegada acima dos 2.000m de altitude.

Será a etapa rainha, com o pelotão enfrentando o grandioso Mortirolo (12,6 km com uma inclinação de 7,6%), que estreou no Giro em 1990. A partir daí, é uma longa subida até o Passo di Foscagno antes da escalada íngreme até o Mottolino (8,1km a 6,6%, com o topo a 2.386m de altitude).

Na chegada, a inclinação muda drasticamente a 2km da linha após o Passo di Eira, onde a inclinação média permanece acima de 10%, embora a estrada tenha rampas íngremes intercaladas com trechos menos íngremes e uma breve atenuação da inclinação antes do “degrau” que leva à reta final.

Terceira semana
Etapa 16 – 21 de maio – Livigno – Santa Cristina Valgardena – 202km
Etapa 17 – 22 de maio – Selva di Val Gardena – Passo del Brocon – 159km
Etapa 18 – 23 de maio – Fiera di Primiero – Padova – 178km
Etapa 19 – 24 de maio – Mortegliano – Sappada – 157km
Etapa 20 – 25 de maio – Alpago – Bassano del Grappa – 184km
Etapa 21 – 26 de maio – Roma – Roma – 125km

Altimetria da nova 16ª etapa

A terceira e última semana do Giro 2024 começa com alteração de percurso. A RCS, organizadora do Giro d’Italia, confirmou na terça-feira (14 de maio) a modificação do trajeto da 16ª etapa, no dia 21 de maio, que iria subir o Passo dello Stelvio, o Cima Coppi, o ponto mais alto de 2024, a 2.758m de altitude. Mas, com recentes nevascas e o aumento das temperaturas, o risco de avalanches é alto.

A etapa, de Livigno a Santa Cristina Val Gardena (Monte Pana), que percorrerá de 202 a 206 km, terá agora como novo Cima Coppi o Giogo di Santa Maria/Umbrailpass, a 2.489m de altitude. Os últimos 3 km são quase todos de subida, exceto a curta descida que vai do centro de Santa Cristina até a ponte (-2 km) onde se inicia a subida final. A inclinação média é de 12% com picos de 16% na parte inicial, com curvas fechadas estreitas.

O Cima Coppi é a subida com maior altitude no cume alcançada pelo pelotão a cada Giro d’Italia. Foi instituído como uma homenagem ao campeão Fausto Coppi.

A 17ª etapa será um verdadeiro dia nas Dolomitas, com duas subidas ao Brocon

A quarta-feira, 22 de maio, com a 17ª etapa tem 154km entre Selva di Val Gardena e o Passo del Brocon, será um verdadeiro dia nas Dolomitas, com duas subidas ao Brocon e os 2 km finais com média de 12%.

Após a passagem pelo Passo de Sella e a descida ao longo dos vales Fassa e Fiemme até Predazzo, há subidas e descidas sem interrupção. O pelotão sobe o Passo Rolle seguido pelo Passo Gobbera e, depois do Canal San Bovo, encara a primeira subida ao Passo Brocon (1.610m de altitude) pelo lado norte. O último km é subindo, com a parte íngreme do último GPM nos 2 km finais, com declives superiores a 10%.

A 18ª etapa servirá de descanso para as pernas

Na quinta-feira, 23 de maio, a 18ª etapa, com 178km entre Fuera du Primiero e Padova, vai servir de descanso para as pernas enquanto os velocistas se preparam para a chegada rápida.

A 19ª etapa terá Passo Duron, Sella Valcalda e Cima Sappada em seguida

Na reta final, na sexta-feira, 24 de maio, a 19ª etapa tem 157km entre Mortegliano e Sappada. Mais um dia nas montanhas, com início no vale de Tagliamento, passando por San Daniele del Friuli, Forgaria nel Friuli e Peonis. Depois de Tolmezzo começa uma série de subidas, com o Passo Duron, Sella Valcalda e Cima Sappada, que conduzem à chegada.

A subida ao Monte Grappa será no penúltimo dia

No sábado, 25 de maio, a 20ª e penúltima etapa tem 184km entre Alpago e Bassano del Grappa. A largada é no Lago Santa Croce e o trajeto segue até Vittorio Veneto e do Muro di Ca’ del Poggio, que leva à zona de Prosecco. Depois de atravessar o Piave, chega-se às encostas do Monte Grappa, onde desde Semonzo se enfrenta duas vezes a subida que leva ao Santuário.

Em direção a Romano d’Ezzelino, com passagem pela Ponte San Lorenzo, está a subida curta mas íngreme (mais de 10%) do Pianaro. Após a segunda descida, a corrida continua até a linha de chegada. A subida do Monte Grappa serpenteia com inúmeras curvas e curvas fechadas por mais de 18 km a uma média de 8,1% com picos de até 14%. A descida do Monte Grappa tem mais de 25 km de extensão e inclui uma subida de 1,5 km com 9,2% no meio.

Etapa final e dia de festa em Roma

O Giro 2024 termina no domingo, 26 de maio, com uma etapa de 125km em Roma. O percurso vai até a costa, em Ostia, regressando para um circuito final de 8 voltas com 9,5km na região do Coliseo, com trechos em paralelepípedeos no final.

AS ETAPAS
Etapa 1 – 4 de maio – Venaria Reale – Torino – 140 km
Etapa 2 – 5 de maio – San Francesco al Campo – Santuário di Oropa (Biella) – 161 km
Etapa 3 – 6 de maio – Novara – Fossano – 166 km
Etapa 4 – 7 de maio – Acqui Terme – Andora – 190km
Etapa 5 – 8 de maio – Gênova – Lucca – 178 km
Etapa 6 – 9 de maio – Torre del Lago Puccini – Rapolano Terme – 180 km
Etapa 7 – 10 de maio – Foligno – Perugia – 40,6 km (ITT)
Etapa 8 – 11 de maio – Spoleto – Prati di Tivo – 152 km
Etapa 9 – 12 de maio – Avezzano – Nápoles – 214 km

13 de maio – dia de descanso

Etapa 10 – 14 de maio – Pompeia – Cusano Mutri – 142 km
Etapa 11 – 15 de maio – Foiano di Val Fortore – Francavilla al Mare – 207 km
Etapa 12 – 16 de maio – Martinsicuro – Fano – 193 km
Etapa 13 – 17 de maio – Riccione – Cento – 179 km
Etapa 14 – 18 de maio – Castiglione delle Stiviere – Desenzano del Garda – 31,2 km (ITT)
Etapa 15 – 19 de maio – Manerba del Garda – Livigno – 222 km

20 de maio – dia de descanso

Etapa 16 – 21 de maio – Livigno – Santa Cristina Valgardena – 202 km
Etapa 17 – 22 de maio – Selva di Val Gardena – Passo del Brocon – 159 km
Etapa 18 – 23 de maio – Fiera di Primiero – Padova – 178 km
Etapa 19 – 24 de maio – Mortegliano – Sappada – 157 km
Etapa 20 – 25 de maio – Alpago – Bassano del Grappa – 184 km
Etapa 21 – 26 de maio – Roma – Roma – 125 km

CONFIRA NO VÍDEO

LEIA MAIS
Giro d’Itália no Bikemagazine

Giro d-italia