Luciano KDra será o moto batedor da Copa do Mundo em Mairiporã

HomeMountain bikeDestaque

Luciano KDra será o moto batedor da Copa do Mundo em Mairiporã

Piloto e locutor conhecido do público brasileiro conta com exclusividade os bastidores da preparação para a etapa brasileira da Copa do Mundo XCO em Mairiporã

KDra no MTB Festival em Mairiporã – Foto de Natanael Giacomozzi

Por Marcos Adami – Bikemagazine
Foto de divulgação Tiago Borges e Nataniel Giacomozzi

A etapa de abertura do circuito mundial Whoop UCI Mountain Bike World Series terá o paulista Luciano KDra Lancellotti como piloto da moto leader, a moto batedora que tem a importante função de conduzir os ciclistas no traçado assim que baixa a bandeira de largada. A Copa do Mundo é neste fim de semana (de 11 a 14 de abril), em Mairiporã (SP) e vai reunir os melhores atletas de mountain bike do mundo. O percurso do XCO tem 4,46km com 231 metros de elevação e o start loop tem 3,5km com 182 metros de altimetria acumulada.

“O legal é ver que estamos vivendo hoje o amadurecimento de várias coisas que começaram a ser construídas há 35 anos. E agora a Copa do Mundo é no nosso quintal”, comemora Luciano KDra, que estreou como piloto da moto leader no último final de semana durante o MTB Festival, no mesmo percurso da Copa do Mundo.

“Foi muito bom usar o MTB Festival como treino para tudo que vamos precisar na Copa do Mundo. Ontem (domingo 7 de abril) andei 3 horas de moto. Puxei o pelotão feminino e o masculino da elite”, diz o piloto.

A moto leader em ação – Foto de Tiago Borges @tiagoborgesfotografo

O batedor precisa andar sempre entre 1 e 2 minutos à frente do primeiro atleta do pelotão, sem cair!

“Já fiz coisas anteriormente em minha carreira que me ajudaram a ter esta oportunidade. É importante ter qualificação, pois tenho que passar despercebido durante a corrida, pois posso prejudicar a prova”, lembra.

Aos 56 anos, KDera se define como um piloto das duas rodas. Além da locução de TV de várias modalidades, KDra é praticante de várias modalidades com motos e bicicletas como mountain bike freeride, downhill, enduro, motocross e trial. Desde 2014 o piloto é responsável pela Cantareira Ride Bike School, na Serra da Cantareira, não muito distante de Mairiporã.

No MTB Festival a moto leader foi usada também na prova de short track, o que ainda é dúvida na prova da Copa do Mundo.

Sonho antigo
KDera confessa que pilotar a moto leader é um antigo sonho. “Faz uns 10 anos que sonho com esta oportunidade. Eu entrei na seleção para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, mas a escolhida foi uma piloto de trial britânica que andou muito e foi um show à parte nas provas do Rio”, conta KDera.

O convite para ser o batedor veio do organizador do MTB Festival e da Copa do Mundo brasileira de Mairiporã e chegou em um bom momento da carreira de KDra. “O convite chegou em um momento bom e me preparei. Foi bom correr e praticar. Estarei bem para a prova e será uma nova experiência de vida”, conta.

A e-moto Arctic Leopard EXT 560 em ação – Foto de Nataniel Giacomozzi

A responsabilidade de conduzir o pelotão com os melhores atletas do mundo pilotando uma moto em uma trilha construída para bicicletas é gigante.

“As pessoas não têm ideia de como é técnico andar de moto em uma pista de cross country para bikes. Está sendo uma experiência grandiosa e maravilhosa. Entendo como um momento de muita gratidão pela minha dedicação ao esporte. Garanto que se eu não tivesse batalhado e me qualificado eu não estaria aqui”, diz KDra, que se sente honrado em participar diretamente da Copa do Mundo.

Pista fantástica
Como toda pista de cross country da Copa do Mundo, o percurso em Mairiporã tem trechos de alta dificuldade e obstáculos, alguns com possibilidade de escolha entre a linha A e linha B. “Fiz 100% a linha A com segurança. Em um único trecho de single track mais estreito e íngreme, optamos em passar por fora”, conta.

Na pista da Copa do Mundo em Mairiporã – Foto de Tiago Borges @tiagoborgesfotografo

Segundo a avaliação do piloto, a pista de Mairiporã é fantástica e perfeita para a abertura da temporada em um ano olímpico. “É uma pista rápida e com sabor técnico, com equilíbrio entre velocidade, técnica e show. Outras pistas mais técnicas podem comprometer o ano de grandes pilotos e de outros em ascensão”, explica.

Motor de 12 mil Watts
A e-moto usada por KDra é uma Arctic Leopard modelo EXT 560 equipada com um motorzão elétrico de 12 mil Watts com 560 Nm de torque e bateria de 2.880Wh suficiente para alimentar a moto nas duas provas da elite.

A EXT 560 é produzida na China e pesa cerca de 70kg e KDra foi o responsável pela escolha do modelo.

A e-moto é equipada com motor de 12 mil Watts e bateria de 2.880 Wh

“Eu pesquisei e achei este modelo ideal. Apresentei para o meu amigo e empresário Caio Salerno e ele se interessou”, conta.

A Arctic Leopard venceu este ano o Rali Dakar na categoria de demonstração de motos elétricas.
A marca está sendo trazida ao mercado brasileiro pela Arctic Leopard Brasil em parceria com a Oxxy Bike. O preço ao consumidor é de R$ 54,9 mil.

LEIA MAIS
Copa do Mundo de MTB no Brasil